MENU

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012 - 20:54F-1

SCHUMACHER & SENNA

SÃO PAULO (sempre importante) – Schumacher falando de Senna não é toda hora. Recebi um press-release agora do Instituto Ayrton Senna, que faz uma campanha chamada “Senna Tri”, para lembrar as três conquistas do brasileiro. Internautas mandaram perguntas sobre ele para que figuras como Schumacher e Hamilton respondessem. As respostas do alemão estão abaixo e nestes vídeos aqui. Reproduzo na íntegra o material que me enviaram, destacando a última pergunta — Michael diz que sua maior vitória sobre Ayrton foi no Brasil em 1994, “orgulhoso por tê-lo vencido em sua própria casa”.

Em 1992, Michael Schumacher era novato na Fórmula 1. Jovem promissor, estava em seu segundo ano na principal categoria do automobilismo, e queria mostrar serviço. Ayrton Senna, já tricampeão mundial, era o principal alvo do alemão. A rivalidade gerou um episódio polêmico, que até hoje intriga fãs do esporte a motor. No GP da França, os dois se chocaram e saíram da corrida, e o brasileiro chamou o adversário para uma conversa em particular, sem a presença da imprensa.

O teor do rápido bate-papo foi revelado pelo alemão em vídeo especialmente gravado para a campanha ‘Senna Tri. Uma conquista inspira a outra’, do Instituto Ayrton Senna em parceria com a JWT.

“A culpa pelo que aconteceu ali foi minha. Como já tínhamos tido algumas discussões no início daquele ano, e eu havia reclamado não só para ele, mas também para a mídia, o principal motivo de ele ter vindo falar comigo foi para pedir que, se tivéssemos algum problema no futuro, deveríamos conversar pessoalmente, e não reclamar para a imprensa. E ele estava certo: nem tudo pertence à mídia”, disse o alemão.

No vídeo, Schumacher respondeu as cinco melhores perguntas enviadas pelos fãs do brasileiro (veja abaixo a transcrição) por meio das redes sociais, e fez algumas outras declarações interessantes.

O heptacampeão mundial de Fórmula 1 afirmou ter aprendido muito com Senna. “A forma como usava o acelerador era especial, se adaptava a qualquer circunstância, era mestre nisso. Observá-lo me ajudou muito.”

Ana Carolina – Sua admiração por Ayrton Senna surgiu de que forma? O que havia nele que chamava a sua atenção? O que o tornava merecedor de tanto prestígio e admiração? Como ele influenciou você?
Schumacher: Oi Ana, a primeira vez que vi o Ayrton foi no início da década de 80, acho que foi em 1980, em Nürburgring, em uma corrida de Kart. Ele brigava pela quinta posição, ou seja, nem estava na frente. Mas a forma como brigava pela sua posição era incrível. Era contra um piloto alemão, Bertzen, que eu conhecia muito bem. A forma como o Ayrton ultrapassava e manobrava era incrível e era muito bom vê-lo pilotar.

Raí Caldato – De 1991 a 1994, você e o Ayrton dividiram as pistas, correndo e treinando juntos. Existe alguma coisa que você aprendeu com ele e incorporou ao seu estilo de pilotagem?
Schumacher: Oi Raí. Certamente, uma das coisas mais importantes é observar os pilotos, principalmente os melhores, e o Ayrton, sem dúvida, era um deles. Observar seu estilo de pilotar era muito especial, mesmo antes de eu chegar à Fórmula 1, nos velhos tempos. Porque a forma como ele usava o acelerador era muito especial, e eu aprendi muito sobre a maneira de se adaptar a qualquer circunstância, a qualquer momento. Ayrton era mestre nisso e, sem dúvida alguma, observar isso me ajudou muito.

Pablo Melo – Você e Senna se chocaram no GP da França de 1992. Houve então uma conversa entre vocês e Senna não deixou os repórteres chegarem perto. Gostaria de saber o que ele falou com você e o que aquela conversa afetou na sua carreira?
Schumacher: Oi Pablo. Bem, 1992, em Magny Cours, foi sim uma discussão interessante. Sem dúvida, a culpa pelo que aconteceu ali foi minha. Como já tínhamos tido algumas discussões no início daquele ano, e eu havia reclamado não só para ele, mas também para a mídia, o principal motivo de ele ter vindo falar comigo foi para pedir que, se tivéssemos algum problema no futuro, deveríamos conversar pessoalmente, e não reclamar para a imprensa. E ele estava certo: nem tudo pertence à mídia.

Alex B. Carrilio – Após vencer o GP de Monza de 200, você chorou ao conseguir quebrar o recorde de vitórias de Senna. Qual a emoção e a importância desse momento para você?
Schumacher: Oi Alex. Monza 2000 foi, sem dúvida, um momento muito importante. Igualar tempos, recordes, era muito importante para mim. E foi por isso que naquele dia eu não consegui controlar minhas emoções. Afinal de contas, ele era um ídolo para todos nós. Eu o conhecia desde a época das corridas de Kart, competi com ele e, finalmente, após a sua tragédia, igualar seus recordes, significou muito para mim.

Milton Vergani – Se fosse possível uma corrida entre você e Senna, qual circuito você escolheria? Qual carro de F1 você escolheria para vocês dois usarem?
Schumacher: Oi Milton. Uma das corridas, e acho que isso responde sua pergunta, foi o GP do Brasil de 1994, nós dois tínhamos carros excelentes. E a briga que tivemos na pista foi muito intensa e afiada, e eu acabei sendo o feliz vencedor daquela corrida. Acho que o Ayrton chegou a rodar e, sim, fiquei muito orgulhoso por tê-lo derrotado, correndo na sua própria casa e por vencer a corrida.

259 comentários

  1. leonardo alves disse:

    A escolinha do professor Raimundo levou ao ar um episódio em que o pessoal da produção colocou numa caveira a seguinte frase : fui piloto de fórmula 1 . Isso foi muito estranho. É possível assistir-lo no youtube. É o episódio 333. A globo não faria uma brincadeira horrível dessa com Ayrton Senna se não fosse tudo combinado.Parte da globo é illuminati.

  2. leonardo alves disse:

    misericórdia quero e não sacrífício. Sacrifício de pessoas ,então , é algo muito pior.Abram o jogo e revelem toda essa história.O Povo merece ter conhecimento.Meus olhos se encheram de lágrimas quando anunciaram a morte de Ayrton Senna. Descobrir que essa morte foi combinada seria triste .O Ideal seria descobrir que Ayrton Senna ainda está vivo.

  3. leonardo alves disse:

    Flávio , você sabe o que aconteceu com Ayrton Senna,A globo também sabe.
    Já passou da hora do povo tomar conhecimento da verdade.

  4. leonardo alves disse:

    outro fato interessante do acidente de ayrton senna é o seguinte:o carro do seu adversário (schumaquer) se chamava benetton.O Prefixo bene significa bem. O narrador daquela corrida se chama Galvão Bueno. Bueno significa bom.Adriane Galisteu , algum tempo depois , se casou com Roberto Justus. Justus significa justo.Essas pessoas são illuminatis e premeditaram a morte de Ayrton Senna.Essa é a verdade.

  5. leonardo alves disse:

    Flavio , você é jornalista.Deve conhecer alguns jornalistas da Globo.Todos os jornalistas da Globo sabem o que aconteceu de verdade a Ratzenberger e Ayrton Senna.Não sei por que escondem isso até hoje.

  6. leonardo alves disse:

    O acidente de Senna foi combinado.Algumas coincidências deixam isso claro.As coincidências são as seguintes : Quando Senna estava assistindo o acidente de Ratzenberger , estava escrita na parede da localidade onde Ayrton Senna estava , a seguinte frase :DI VELLA . Ayrton Senna sofreu o acidente na curva tamburello numa cidade chamada ímola .Todos sabem que imolar significa sacrificar.Com essas coincidências ,fica claro que foi tudo combinado. Planejaram as mortes de Ratzenberger e Ayrton Senna .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>