MENU

segunda-feira, 20 de outubro de 2014 - 16:12F-1, Stock Car

O NOVO RUBENS

SÃO PAULO (leiam, leiam, leiam, canalhas!) – Nestes dias meio bagunçados, com um monte de corrida de F-1, acidente de Bianchi, mercado de pilotos pegando fogo, nem indiquei com a devida atenção a ótima entrevista que Renan do Couto fez com Rubens Barrichello logo depois de sua primeira vitória na Stock — justamente na Corrida do Milhão, em Goiânia.

Está aqui, na última edição da Revista WARM UP, sempre excelente. Barrichello fala da F-1 que deixou para trás, daquele que considerou seu melhor ano na categoria, a temporada na Brawn, do novo momento no automobilismo brasileiro, de kart, dos filhos e de muito mais.

Divirtam-se.

rbgrandesent

31 comentários

  1. Luiz disse:

    A foto não mente: Ele acertou o olho com a quina do troféu…

  2. Alfredo disse:

    Quando um país que teve como pilotos: Emerson, Piquet pai, Senna, Pace . Começa a reverenciar sujeitos tipo Rabichello e Massa. Vê se pra onde o bonde está indo. O Problema vai ser no ponto final encontrar uma maneira de separar todo esse lixo do cristal e dar conta de fabricar grade suficiente pra enclausurar tanto apreciador de acumuladores de dinheiro.
    O cara é muito bom, acumulou fortuna. Que parâmetro fedorento!!!

    • Allez Alonso! disse:

      Eu não vi Piquet, Emerson e Pace serem campeões. Ainda assim, nada me impede de achar a carreira do Rubens digna de respeito. Essa mania de comparar pessoas em épocas diferentes é coisa de brasileiro. Na Europa Rubens é muito respeitado e depois dele nenhum outro piloto brasileiro na f1 lutou por campeonatos ou foi vice campeão. Alguém disse que ele é muito bom porque acumulou fortuna, esse deve ser seu próprio parâmetro, já que por um pé de meia todos lutam.

  3. O Rubinho considera o campeonato de 2009 melhor porque foi o único em que ele esboçou uma luta pelo titulo, mas foi dominado pelo Button do início ao fim esboçando uma reação da Europa (Valência, Espanha) até a Itália com o Button tendo sorte e fazendo uma marcação cerrada, administrando sua vantagem, ganhando o seu único campeonato numa corrida completamente adversa no Brasil.

  4. Paulo Pinto disse:

    Rubinho sempre foi um piloto talentoso e guerreiro, mas sem a ousadia do risco. Cometeu um grande erro na categoria (erro dele ou do destino): ficou “passeando” as primeiras sete temporadas em equipes pequenas.
    Quando conseguiu ir para uma grande equipe, pegou Schumacher como companheiro em seu melhor momento. Gastou mais seis temporadas correndo na sombra do Maior do Mundo.
    Conseguiu renascer na Brawn GP, mas seu companheiro desde a Honda, venceu seis das sete primeiras corridas. Daí em diante o inglês “cozinhou o galo” até conquistar o título, tendo a seu lado um surpreendente Vettel como vice.

    Sobrou talento, trabalho e competência. Faltou ousadia.

    • Allez Alonso! disse:

      Pole com a Stewart, lembra?
      http://youtu.be/Gf_g7dkKAuQ

      E, essa volta foi bacana. Depois da largada ruim, ele veio babando!

      http://youtu.be/aKk_mGOZIFA

      Concordo em parte, acho que ele deveria ter ficado mais na Ferrari de 2006 a 2008, quando Shumacher saiu, pra mim esse foi seu maior erro.

      • Paulo Pinto disse:

        Dos 32 campeões da F-1, 27 conquistaram o título (ou seu primeiro título) até à sétima temporada.
        Dos cinco restantes, dois foram campeões na oitava temporada com excelentes carros.
        Os outros três se sagraram campeões além da oitava temporada, pilotando carros de outro planeta.

        Rubinho, pela estatística, “perdeu o bonde” pilotando Jordan e Stewart (as tais 7 temporadas).
        Mansell (o campeão mais atrasado) levantou o título na temporada 13 da sua carreira. Rubinho, na única chance de sua carreira em 2009, disputava sua 17ª temporada.

        São os números (que você tanto detesta) tentando explicar a falta de um título para o brasileiro.

      • Allez Alonso! disse:

        Não seja complexado, não precisa ser campeão para ser considerado muito bom e digno de respeito.

      • Paulo Pinto disse:

        Pergunte aos vices da F-1 ainda vivos, se eles sentem ou não, uma frustração de não terem conquistado um título na categoria.

        O teu idolatrado (que conseguiu ser campeão) falou há pouco, que trocaria os elogios e o respeito por mais “canecos”.

        O espanhol está correndo atrás de números!

        Hahahahahahaha! (sete, ah… é apenas um número).

  5. Leandro P. Batista disse:

    Nao me recordo de quem o fez na época, mas acertou em cheio ao afirmar que não poderiam nunca jogar nas costas do Barrichello a responsabilidade de substituir o Ayrton como ídolo na F1. Lembro-me que foi logo após a morte do Senna.
    E foi o que aconteceu. A pressão pra ele se tornar um novo Senna foi enorme. Piadas e mais piadas eram feitas num humoristico da emissora com apelidos jocosos. O Rubinho, ao meu ver, sempre foi um bom piloto.

  6. Turco disse:

    não precisa ser ídolo pra ser admirado. é um grande piloto. GRANDE DEMAIS pra mediocridade que impera nessa país.

  7. carlos disse:

    Quando sai a proxima edição da warmup?

  8. Ulisses disse:

    Grande Rubens!
    Sou fã do cara! Sempre fui, desde quando fui ver um treino da F3 Sulamericana em Interlagos antes da “reforma” que criou o “S” do Senna. Fiquei na Curva 1 sentado no barranco. Eram 4 pilotos que faziam aquela curva de pé cravado, o argentino Nestor Furlan, Leonel Friedrich, Cristian Fittipaldi e Rubens Barrichello. Era lindo de se ver! Rubens sempre foi rápido, azarado (mas com bom humor, raríssimo isso!), boa pessoa, ótimo caráter, recordista absoluto de largadas na F1, grande acertador de carros, recebia e ainda recebe piadas de mau gosto com muita educação e classe, enfim, um campeão sem título!

  9. Rafael Banzales disse:

    Barrichello é um grande exemplo de profissional. Não foi campeão, mas pelo menos fez seu pé de meia, sempre esteve ao lado da família. Hoje desfruta da paixão pelo automobilismo e aproveita a garotada. Esperto ele, enquanto estamos ralando e sonhando em um dia rodar com um ou outro carro, ele já fez tudo isso.

  10. Allez Alonso! disse:

    É um racer e ama o que faz, tem todo meu respeito. Mas discordo que 2009 tenha sido seu melhor ano, acho que seus melhores anos foram na Stewart, fez belas corridas e abriu as portas da Ferrari.
    Quanto a 2009, se ele tivesse começado o ano com o carro que terminou, com os novos freios, teria sido campeão em cima do Button. Considero Spa-2009 a melhor corrida de Rubens naquele ano, a primeira volta, uma das mais fantásticas da história da f1.
    Como disse o Hamilton, a legend.

  11. Igor disse:

    vem ca…. desde quando estava no ultimo ano da F1 que ele estava escrevendo a biografia… alguem sabe como anda?!

  12. Conde disse:

    Tb sou fã desse cara . O brasileiro é que é mal agradecido e não dispensa uma piadinha em qq coisa e não tem senso de ridículo .

  13. laercio disse:

    Um ídolo nacional que poucos reconhecem, dou mais valor a ele do que a quem procura vencer a qualquer custo e acaba encontrando a morte.

  14. Luis disse:

    Meu ídolo, sou fã!
    Não é o melhor do mundo na F1…..não será…embora todo o brasil queira e cobre isso dele.
    Mas é o melhor do mundo em obstinação, em correr atrás do sonho….e o melhor do mundo em não deixar se abater com as críticas…..eu já teria morrido de tanta vergonha se falassem de mim o que falaram dele.

    Por isso sou fã.

  15. Eduardo disse:

    Uai, sô. To doido ou já li isso aqui?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>