MENU

terça-feira, 17 de novembro de 2015 - 9:58Indústria automobilística

ASTON ELÉTRICO

SÃO PAULO (silêncio) – Com motores elétricos desenvolvidos pela Williams, incluindo um em cada roda, a Aston Martin apresentou o RapidE, carrão que deve entrar em produção daqui a dois anos e vai custar a bagatela de 200 mil libras — isso aí dá um milhão de dilmas, se o câmbio que estou estimando for o correto.

Considero o automóvel feio, e nem sei direito porque estou falando disso aqui, já que não gosto desses carros. Quer dizer, sei, sim. É porque a Williams está envolvida, e isso certamente tem a ver com a atuação da divisão de engenharia da equipe-empresa na F-1 e, principalmente, na Fórmula E.

Acho que esse negócio de carro elétrico não tem mais volta, mesmo. Outro dia até um DKW elétrico um cara fez. Mas seguirei com meus carrinhos pipocando e poluindo. Não encham.

asteletrico

35 comentários

  1. Tuta Santos disse:

    Já vem pichado!
    Em breve, Kit Piche Your Ride by Tuta Santos

  2. Lucas disse:

    O problema é quando mais de um bilhão de carros segue poluindo. Acho que a solução veio (se é que é a solução) bem tarde.

  3. Thiago disse:

    Acho que os carros com motores a combustão devem durar muitos anos ainda, não vai ser tão fácil assim para substituirmos todos. Vai ser a mesma coisa do Flex… Gasolina, álcool, gás, energia elétrica, hidrogênio… vai ter pra todos os gostos, mas quem sabe, daqui a uns 50 anos, metades dos veículos circulando pelo mundo serão totalmente elétricos.

  4. Marcus disse:

    Tem mais cara de bagre que o Focus.

  5. YEROSHA disse:

    Não é feio,mas não tem como não associar com 007.O mundo se deteriorando e os caras só se preocupam com o ar,e os mares ,polos florestas rios( RIO DOCE-Mariana ),
    Triste vai ser o barulho do motor , ou melhor a falta dele.

  6. Helton Fernandes disse:

    Não é feio, não…
    Mas gosto não se discute…

    Tem alguma notícia nova sobre a associação da Force India com a Aston Martin?

  7. Eduardo Daniel disse:

    O problema dos carros elétricos é o som do motor. Pedestres, ciclistas e deficientes visuais se orientam, as vezes, pelo som dos automóveis se aproximando. Com o silêncio dos elétricos, a aproximação deverá ser sorrateira e perigosa.

  8. valmir chicarolli disse:

    Para mim carro puramente elétrico é mico enquanto não fizerem baterias decentes e que não usem o lítio.

    Não vejo a hora da tecnologia a hidrogênio vingar…

  9. Vitor disse:

    Flávio, posso deixar uma sugestão para o Paddock GP?

    Transforma-lo também em um podcast. Eu (e creio que muitos leitores também) não tenho mais muito tempo (e as vezes paciência) para ficar parado em frente a uma tela por mais de meia hora consumindo um conteúdo. Só eventos esportivos que ainda conseguem me manter grudado na televisão.

    Agora por pegar quase duas horas de trânsito por dia, eu sou um ávido consumidor de Podcasts, e apesar de já ouvir o Podcast F1 Brasil, quanto mais programas voltados ao automobilismo, melhor para nós consumidores!

    A minha sugestão é uma simples extração do áudio do Paddock GP e transforma-lo em um Podcast. Creio eu que teria uma resposta muito boa do seu público.

    Quanto ao carro: Bonito e deve ter uma tecnologia interessantíssima. Mas ainda sim fico com meus motores a combustão.

    Abraços!

  10. Alfredo Aguiar disse:

    Chamar um Aston de feio é sacanagem. Mais que isso, um sacrilégio!!!

  11. Speeder76 disse:

    O que me espanta nem é a beleza (ou a falta dela) do bólido em questão. Espanta-me o preço: para quê um Aston Martin, quando temos um carro do mesmo tamanho, o Tesla Model S, que vale metade ou um terço do seu preço? Eu sei que é elitista, mas creio que vai ser um nicho dentro de um nicho. Enfim…

  12. smoker disse:

    elétrico ou a querosene, uma maravilha de carro!

  13. Rogério Calsavara disse:

    Realmente os elétricos são o futuro como meio de transporte, mas isso não significa que os carros com motores a combustão vão deixar de existir, mas estes vão virar produtos de nicho, para uma pequena parcela que os aprecia por várias razões. Além disso, você ainda poderá ter os seus antigos veículos “placa preta”. E até os gominhos, se assim quiserem, poderão rodar por aí com carros pipocantes com placa preta.

  14. Alexandre Zamariolli disse:

    A Aston Martin não pertence aos chineses (e Deus queira que continue assim). Sua acionista majoritária é uma tal Prestige Motor Holdings, sediada em Luxemburgo, e eles estão começando a arrastar a asa para o lado da Mercedes-Benz – única das três grandes alemãs que não dispõe de uma marca de carros de superluxo, já que a VW-Audi ficou com a Bentley e a BMW, com a Rolls-Royce. Eles apenas se associaram ao grupo chinês de investimento ChinaEquity para desenvolver essa versão do Aston Rapide.

  15. Hassan disse:

    Flavio, que eu saiba, a Aston nao pertence a um grupo chines… Se nao me engano ela tem um pool de acionistas, sendo que 39%(a maior fatia de ações) pertence a Prestige Motor Holdings (em 2013 eles compraram).

    • Zé Tros disse:

      Isso mesmo. Segundo informações, a Aston Martin é composta por:

      Prestige Motor Holdings(39%)
      Asmar (19%)
      Primewagon (Jersey) Ltd (19%)
      Adeem Investments (11%)
      Daimler (5%)
      DAR Capital (5%)
      Sthewaz Automotive (2%)
      Other Minor Shareholders (10%)

  16. Antonini disse:

    Caro Flávio,

    Não se desespere, enquanto não fizerem baterias MUITO melhores que as atuais esse papo de carro elétrico vai ser só balela. Esse dias tava vendo uma reportagem sobre o Tesla, que faria mais de 400 km com uma carga de bateria. Pensa bem, o carro tem pouco mais de 500 Kg de baterias, isso daria em torno de uns 75kWh de energia com ótimas baterias de íon de lítio. Só que o brinquedo é pesado e tem um motor de 300 Kw, ou seja, usando a potencia máxima ele teria autonomia de (75 kWh/300kW) 0,25 hora, ou 15 minutos… isso considerando rendimentos do conjunto motor/bateria de 100%… Talvez andando a 40 km/h constantes e em estrada plana se faça algo próximo aos 400 km apregoados, lembrei que vi um episódio do Top Gear com um carro desses e eles acabaram o episódio empurrando o carro para garagem por falta de energia. Só mais um detalhe, baterias tem vida útil pequena, dois três anos, e custam muito, pelo que sei boa parte do custo de um carro elétrico é bateria. Quem em sã consciência compraria um carro que tem que trocar um componente caríssimos do carro a cada dois anos? Só para concluir o raciocínio e deixar algo para pensar, uma bateria chumbo ácido armazena uns 30 w/kg, uma de íon de lítio uns 150 w/kg, já um quilo de álcool 7100 w/kg e de gasolina mais de 10000 w/kg… Ah… já os híbridos, apesar da tua bronca com a falta de barulho da F1 atual, são outra história e o futuro do automóvel passa por ali.

    Abs.

    • Alfredo Aguiar disse:

      Como diria o poeta: Possa ser que sim, possa ser que não.
      Lembro de quando construiram sistema de tubos no Empire State Building para levar as correspondências mais rapidamente para os andares. O plano era construir todo um sistema de tubos subterrâneos em New York em que cápsulas levariam as cartas por dentro desses tubos. Uma revolução. Aí primeiro inventaram o Fax, uma porretada no tal projeto de tubos, depois o E-mail, aí o sistema foi pelos tubos mesmo.
      Então, amanhã os caras descobrem uma nova parada, totalmente diversa e vai bateria, gasolina, álcool e companhia pelos tubos também. Possa ser!!!

      • Alfredo Aguiar disse:

        PS . Quando fizerem uma visitinha a Big Apple deem uma paradinha no Empire State. Os tais tubos ainda continuam lá.

      • Antonini disse:

        Verdade, caro Alfredo, a nossa capacidade de prever o futuro é bem limitada. É bem engraçado rever matérias feitas pouco tempo atrás sobre como seriam os carros do futuro. Se bem que no ramo da propulsão dos veículos faz mais de um século que se usa o mesmo motor… Abs.

  17. Andre disse:

    Imagina o bonito então.

  18. Marcos disse:

    Um Aston Martin, feio ? Feio é você ! Rsrsrs.

    Muito legal o vídeo do DKW elétrico. Bem cuidado, pelo visto. Aquele close dele abrindo a porta nos faz até sentir a suavidade de uma porta de carro antigo “alinhada”. Quem já teve fusquinha sabe do que eu estou falando.

  19. Ben Hur Lopes de Oliveira disse:

    Flavio, tem certeza que a Aston Martin pertence a um grupo chinês? Tenho a impressão que depois de ser vendida pela Ford passou para mãos de ingleses. Já ouvi dizer que a Mercedes está interessada em comprá-la, inclusive fala-se em motores AMG nos Aston.

    Abraço, Ben Hur

  20. YEROSHA disse:

    Não há como discossiar do 007, más os caras estão preocupados só com o o ar que é vital ,mas e o entorno ,oceanos ,rios, florestas, animais etc. realmente difícil vai ser se acostumar com o barulho,ou a falta dele.

  21. Sergio Trancoso disse:

    Eu acho lindo.

  22. Valdemir disse:

    Flávio,

    Feio não digo que seja, mas pelo preço, está longe de ser bonito $$

  23. Fernando Bento disse:

    Parece que o acionista majoritário a Aston Martin é a Ivestindustrial, que já foi dona da Ducati.

  24. Mauricio Camargo disse:

    Não é feio!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>