MENU

quinta-feira, 5 de novembro de 2015 - 12:05F-1

RENAULT-ILMOR

SÃO PAULO (é umas…) – Mais recente capítulo da interminável novela “Por um motor que nos encante”. A Red Bull pode comprar motores da Renault, mas entregá-los à Ilmor para preparação. Usando-os com outro nome, ou nenhum nome.

Seguimos aguardando ansiosamente o desfecho.

25 comentários

  1. Paulo F. disse:

    Só uma questão: a Ilmor não é de propriedade da Mercedes Bens?
    É um braço da Mercedes Bens Motorsports e também atende também pelo nome de Mercedes Bens High Performance Engines Ltda.?
    Então a Renault tem bons motivos para recusar a “parceria” entre RB e Ilmor.
    Seria mais fácil colocar AMG nas tampas de válvulas do motor alemão do ano passado e vender para os austríacos.

    • Gabriel Medina, O outro disse:

      Sim e não, Paulo. A Ilmor original, aquela responsável pelos motores Mercedes na F1 e na Indy realmente foi comprada pela montadora alemã. Depois do negócio ser fechado, Mario Illien ficou com a divisão de projetos especiais, embrião do que é a Illmor hoje e da qual estão todos falando como possível fornecedora da F1.

      Em tempo, Roger Penske é sócio da Illmor atual.

  2. Ulisses disse:

    A Red Bull falou demais!
    Está “pagando” a língua.

  3. Wolfpack disse:

    O dia que a Ilmor calibrar uma usina destas hibridas o Massa será campeão mundial. Impossível! Esse motor é Renault e a Red Bull voltou rastejando, implorando por ele a Carlos Gohns. A arrogância destes austriacos irá levá-los agora a reclamar as paredes e pagar caro por estas unidades.

  4. eduardo costa disse:

    como consta da reportagem do Grande Premio, o desenvolvimento pode ficar com a Ilmor ou com a AVL.

    há um dado interessante sobre a AVL: a divisão de motores a combustão se chama Le Moteur Moderne…

    Voltemos no tempo e achamos uma coincidência (apenas uma coincidência): existia uma empresa italiana com nome bastante similar: A Motori Moderni da itália

    e a Toro Rosso é a continuidade de uma equipe que um dia foi a minardi.

    Ok…ok… Uma não tem a ver com a outra… é apenas uma coincidência… dessas que o mundo está cheio.

    ah! eis o site:

    http://www.le-moteur-moderne.fr

  5. Jonny'O disse:

    Foi o que falei desde o inicio, falaram demais, vão ter que pagar por um motor, e pagar por não ser parceiro, nas horas difíceis.

  6. Giovanni disse:

    Como eu falei há algumas semanas. No fim, o Ecclestone deve ter entrado no jogo, apontou uma solução em que seja bom (leia-se, $) para os dois lados, aí ira o nome daqui, bota outro nome ali, não “mancha” ninguém e tá tudo certo, a vida continua.

    Essa é a F1.

  7. Raphael disse:

    Pelo q entendi isso ja está fechado e o maior problema é q a RedBull e a Ilmor em parceira com a Renault fizeram algumas mudanças na base do motor a combustão e a briga era por conta da propriedade intelectual. Mas ja foi definido. A Redbull vai correr com a versao atualizada fo motor a combustão que vai introduzir no GP do Brasil (vai sofrer punição ) e o ERS vai ser construidos por ele. Agora querem rebatizar o motor como Infiniti ou outro nome caso nao haja acordo.

    http://thejudge13.com/2015/11/05/exclusive-red-bull-secure-an-engine-for-2016/

  8. Gabriel Medina, O outro disse:

    Não seria justamente o contrário? Seguinte, os atuais motores Renault são projetados pela mesma e construídos pela Mecachrome, um esquema que vem desde os anos 90, pelo menos.

    Nesse ano, a montadora francesa contratou a Ilmor como consultora, que fez uma análise do V6 Híbrido, propôs uma série de mudanças e montou um protótipo. Na época – uns meses atrás – a Renault elogiou o trabalho, mas descartou usa-lo na temporada corrente, dado tempo de testes reduzido e os muitos entraves do regulamento.

    O que faz mais sentido acontecer no ano que vem é a Renault (atual Lotus) usar essa nova versão do motor, com a reengenharia da Ilmor, e deixar as equipes da Red Bull com o atual, que elas odeiam tanto.

  9. Maxwell Barbosa Medeiros disse:

    Seria engraçado se o motor modificado tiver desempenho melhor que o de fábrica.

  10. Carlos Pereira disse:

    “Vamos comprar o Francisco, mas o nome vai de Chico.”
    Gênios !!!!

  11. Marcos disse:

    Ilmor… aquela do falecido Mario Illen, né ? Que fazia aqueles canhões Mercedes-Benz da Indy, né ?

    Corre o risco de voltar uma baita de uma usina de força, muito melhor que o original Renault.

    Estou torcendo do lado de cá, ainda que desejasse muito mais uma reviravolta da Honda pra limpar a barra da minha querida McLaren.

    • Robertom disse:

      Mario Illien está bem vivo, e aposto que vai ajudar a Red Bull andar bem à frente de todos os outros carros com motor Renault.
      Quem morreu foi o ex-sócio dele, Paul Morgan, num acidente aéreo.

    • Gabriel disse:

      Mario Illien está vivo, e muito bem vivo, trabalhando ativamente no desenvolvimento dos V6 Bi-Turbo Chevrolet da Indy. Quem faleceu em 2001 foi Paul Morgan, o “mor” da Ilmor, que foi engenheiro da Cosworth nas déc. de 70 e 80 e junto com Illien fundou a Ilmor Engineering em 1983.

  12. Lauro Kennedy disse:

    ILMOR me lembra a PACIFIC-ILMOR que correu com o V-10 da referida marca NA F1 em 1994 sem grandes resultados, terminou na 14° posição, e 1995 na 12°. Detalhe: com zero ponto nas duas temporadas. Naqueeeeela época onde só os seis primeiros colocados pontuavam.

  13. Razor disse:

    Pois é, consta que a própria Ilmor já tinha analisado esse motor no começo do ano, desenhado novos cilindros e pistões que poderiam aumentar a potência em 40 HP e a Renault recusou.
    Depois a RBR ofereceu tirar um engenheiro do setor de motores da Mercedes, e a Renault novamente disse “não”, mantendo-se orgulhosamente “pura”.
    Foi na soma desses episódios que Didi Mateschitz deu piti, mandou os franceses à merda e se aproximou da VW. Azar dele que deu xabu!

    Com mais liberdade intelectual para mexer no motor – ou seja, sem as guerras de egos e saias-justas que sempre existem numa grande organização como a Renault, a Ilmor pode arrumar a casa para a Red Bull e preparar o caminho para uma unidade totalmente nova, depois que o Grupo Volkswagen resolver seu escândalo ecológico.

  14. Renato Breder disse:

    Para “resolver” o problema dos motores, façam (as equipes!) uma “vaquinha”, comprem motores Mercedes-Benz para todos e cada um põe o nome que quiser no seu motor… não seria exatamente o que a F1 propõe para si como categoria automobilística, mas seria bem equilibrado…

    Foram várias as vezes que a F1 teve algum motor rebatizado… Já em 1950, em sua primeira temporada, apareceram os motores Speluzzi (utilizados pelos Maserati-Milano), que nada mais era que os Maserati da época retrabalhados.

    Em 1952 “estrearam” os Platé (também Maseratis retrabalhados) e os Bristol (originados do BMW 328 alemão, espólio de guerra, digamos assim).

    E a lista é bem grande, passando pelo Osella de 1988 e o Sauber de 1993… Aliás, esse “motor Sauber” tem por trás uma parceria entre a Sauber (equipe), a Mercedes-Benz (fornecedora dos motores) e a Ilmor (preparadora) de Mario Ilien, que está de novo sendo lembrado atualmente…

  15. Figo disse:

    O motor poderia chamar Rouge Taureau.

  16. Victor disse:

    Aí sim!!!
    A Renault não aceitou as melhorias que a Ilmor fez a pedido da RB, acho até que esse povo da Renault foi comprado pra sacanear a RB. Mas agora sem a Renault, tudo pode melhorar.

  17. Marcelo Witt disse:

    Hmmm… mas será que a Renault vai querer? Claro que entram uns trocos, mas depois de tanto xingamento…

  18. Clenio Azevedo disse:

    Boa ação da Red Bull para escapar, da não participação do campeonato 2016.
    Flávio, estou no interior de Minas Gerais, trabalhando e por isto estou sem informações da reforma do autodromo de Interlagos. Teria como mostrar fotos?

  19. Bruno Cardoso disse:

    Basta saber se os dirigentes da F1 irão permitir.
    Seria legal se todas as equipes que utilizam motores fornecidos pelos times de fábrica preparassem os seus motores.
    Talvez o medo da Mercedes e da McLaren em fornecer os motores para a RedBull fosse esse.

  20. Edgard disse:

    Bonito se andar mais do que a ‘matriz’…
    Uma dúvida: é permitido mexer no motor, fora aquela situação de trocentos e cinquenta e dois tokens e 2 Pai-Nosso e 3 Ave-Maria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>