MENU

terça-feira, 27 de setembro de 2016 - 18:27F-1, One comment

FEW COMMENTS

Não tem como ser barato. Por isso, a longo prazo, não tem como dar certo. Não se sustenta. Mas é legal pra cacete.

30 comentários

  1. André Lima disse:

    Claro que a longo prazo se sustenta. Não é o socialismo!
    O capitalismo se reinventa e é claro alguém paga a conta mas o jogo segue.

    • Fabricio_RC disse:

      Exatamente colega!
      Por isso tantas equipes socialistas quebraram ao longo dos anos na F1. sqN
      E pra completar, é por isso que os astronautas capitalistas estadunidenses entram em foguetes russos para ir pro espaço. kkkkk
      Os caras não raciocinam direito, não tem nada de útil pra fazer da vida, aí resolvem escrever merda nos comentários de sites e blogs, misturando alhos com bugalhos. Incrível como anda nosso país.

  2. Giovanni disse:

    A produção desse parafuso é muito bonita, porém, precisa de tudo isso? Não. Por isso é desnecessário e insustentável.

  3. valter disse:

    A Red Bull Racing vai fabricar seu motor. Não vai demorar. Acreditem.

  4. Fabiano Cortez Prometi disse:

    Espero que dure para sempre, não tem nada mais bonito. Te amo F1

  5. É claro que isso foi só pro filme, claro que na prática são feitos provavelmente dezenas de parafusos iguais ao mesmo tempo. Um de cada vez mas feito em “batch”, ou seja se ajusta as máquina e vão fazendo vários. Não faz sentido fabricar um de cada vez. O custo seria absurdo, mesmo para uma equipe de ponta de F1…

    • Igor Dusse disse:

      Infelizmente não Luciano.
      Para cada parte do carro deve existir um parafuso específico, especialmente para as equipes de ponta.
      Por isso que o Flavio diz que não se sustenta, pois caso usassem parafusos padrões, os custos cairiam bastante mas não haveria tanta diferença de performance entre as equipes.

    • Luiz AG disse:

      Exatamente. Já fui projetista em uma industria eletrônica e o processo de uma montagem de um parafuso não é muito diferente.
      Quando aprovado é feito milhões dele e uma pequena parte dividido em lotes é separado para ensaios, Isso se chama amostragem.

      O que foi apresentado no filme é todo o processo de projeto de um protótipo.

      • Fabricio_RC disse:

        Desculpe discordar Luiz AG. Antigamente se agia assim, e os carros eventualmente quebravam alguma coisa durante as provas. Hoje em dia um carro não quebra por conta do controle de qualidade extremo. Concordo que não seja feito exatamente assim, mas diversos ao mesmo tempo. Só que diferente das indústrias, que fazem o trabalho por amostragem estatística seguindo determinados padrões de qualidade, para determinadas utilizações, os parafusos, molas, engrenagens, etc, são examinados um a um, descartando para o uso aqueles que não passam por todos os testes.

  6. Luigi disse:

    Concordo, Flávio: é legal pra cacete! Olha… eu adoro a forma como a Red Bull explora o marketing da categoria. A FOM/FIA deveria se espelhar neles para tornar a F1 mais atrativa. Infelizmente eles estão na idade da pedra nesse aspecto…

  7. Martinho Franco disse:

    Imaginem fazer a asa dianteira?!

  8. Eu acho que a F1 foi feita para isso: ser laboratório de tecnologia de ponta que permita os carros cada vez ir mais rápidos e serem mais seguros. Enquanto tiver interesse, dinheiro não faltará.

  9. Frederico Lima disse:

    Fantástico!!!!

  10. José Brabham disse:

    Putz… um parafuso específico para uma função!!

  11. Gustavo Coelho disse:

    Do KCT! Muito bom, estes caras sabem fazer um vídeo promocional. E o lançe de beber o energético enquanto desenha o parafuso. Sensacional.

  12. Eltontoptec disse:

    Considerando todas as pessoas e todos os processos envolvidos, quanto custou esse parafuso?

  13. lucky disse:

    ai vai a pola do Kyviat e destroi o carro todo

  14. Thiago Azevedo disse:

    Um barato.
    Se mostrar esse vídeo para alguns pilotos, eles farão menos cagadas. A treta é ficarem mais lentos.
    A responsabilidade aumenta um tanto.

  15. Estevão Busato disse:

    Caramba, forte a frase “por isso, a longo prazo, não tem como dar certo”. Será que com tanto dinheiro de patrocínios, montadoras, barões, etc., a coisa um dia irá ruir?
    Como diria o Fox Sports, torcemos juntos para que não!
    Porém, há que se concordar que o modelo existente hoje deve ser melhorado afim de garantir um mínimo de competitividade nivelada. Começando por acabar com essa verba para equipes históricas. O que uma recebe de bônus é praticamente o orçamento inteiro de outra.
    Abraço!

  16. Murio Cico disse:

    assim é a RedBull, o marketing vem primeiro. O resto é o resto…ainda que brilhante e lucrativo.

    Na hora do “vamo vê”, eis o que eles (e toda humanidade) fazem:
    http://flaviogomes.grandepremio.uol.com.br/2014/01/one-comment-553/

  17. Gabriel P. disse:

    Disse tudo Flávio, é legal mas………….?

  18. Alfredinho disse:

    Eu acho que a Red Bull está prestes a dar um salto de qualidade na f1 em 2017.

  19. Paulo F. disse:

    Troca o RB12 (?) por uma aeronave de ponta ( B787 por exemplo) e poderia ser o mesmo clip!

  20. Jayme disse:

    Isso é usinagem de precisão, até porque se um simples parafuso quebrar um carro de milhões para.

  21. Ricardo disse:

    São por essas e outras que Mercedes e Ferrari não quiseram vender motores para esses caras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>