MENU

sábado, 7 de janeiro de 2017 - 12:53F-1

NÃO DIGA

SÃO PAULO (agora?) – Quase 15 anos depois da papagaiada do GP da Áustria, Ross Brawn, então diretor-técnico da Ferrari, vem a público para dizer que a ordem de equipe a Barrichello “foi um erro”.

Bem, nem sei se é a primeira vez que ele fala nisso, mas sempre é bom reforçar o tamanho da cagada. Se os mais jovens não se lembram, estávamos em 2002 e Schumacher seria campeão mesmo se dirigisse vendado, tamanha a superioridade da Ferrari. Ganhou o campeonato com seis provas de antecedência e terminou as 17 etapas no pódio — algo inédito. Seu pior resultado foi um terceiro lugar na Malásia. Fez 144 pontos, contra 77 de Rubinho, o vice.

A corrida de Spielberg era apenas a sexta da temporada, e Barrichello vivia um raro fim de semana de domínio sobre o companheiro de equipe. Segundo Brawn, estava combinado que ele deveria deixar Michael passar, se estivesse na frente.

Era uma estupidez discutir isso antes da largada. Ali mesmo os dois pilotos deveriam abortar a ideia de jerico, mas se calaram. Medida desnecessária, boba, idiota. E foi assim que largaram, e quando a Ferrari deu a ordem, Rubens contestou. Foi deixar Schumacher passar nos últimos metros, apenas. O alemão, igualmente bobo, passou, e ainda comemorou. Burro como uma porta.

No pódio, Michael colocou Rubens no degrau mais alto. Ouviram uma vaia estrondosa. Merecida. Por conta dessa burrice descomunal, a Ferrari conseguiu dar munição aos que achavam que Schumacher só ganhava de Barrichello, apenas um brasileirinho contra todo esse mundão, porque era ajudado pela equipe. Bem-feito.

aust2002

36 comentários

  1. Clayton Araujo disse:

    Coisas da Ferrada. Tudo normal pra mim, infelizmente. UM LIXO!

  2. Ulisses disse:

    Rubens foi muito esperto naquele dia!
    Tanto a Ferrari quanto Schumacher, insistiram para que deixasse o alemão passar, e Rubens deixou, na reta de chegada …. cumpriu o contrato, cumpriu com o combinado, e jogou merda no ventilador da Ferrari e de toda a F1 com a pá !!!!
    Grande Rubens!!!!!

    Quanto à Schumacher, é aquilo que muita gente diz, o próprio Dick Vigarista!!!!
    O piloto que mais ganhou títulos na história da F1! Pilotava pacas!
    Mas, é o melhor da história?
    Há controvérsias …

    E Rubens, foi um dos que mais contribuíram para levantar esse tipo de dúvida.

  3. Renato de Mello Machado disse:

    Fizeram, só cagada aquele dia.

  4. Rafael Rego BH disse:

    Falando em Schumacher, achei esse vídeo aqui bem legal.
    Ele, Frentzen e Karl Wendlinger testando o Sauber Mercedes em Jerez, em 1990.
    Nunca tinha visto esse vídeo, achei legal, e o carro tem um belo som.

    https://www.youtube.com/watch?v=TqGeQvKU0gY

  5. Chupez Alonso disse:

    São por essas e outras que o Schumacher foi e será sempre o maior picareta da história da F1.

    O 2º maior picareta, pra varia é vice até nas falcatruas, é o rapaz do “Faster than You” e do Cingapuragate.

    Adivinhem que é…

  6. Ricardo disse:

    Isso continua acontecendo, porém, sem a mesma repercussão. Não dá pra entender.

  7. Paulo Pinto disse:

    Rubinho saiu ganhando. Deixou de vencer num circuito pré-fabricado, para vencer no Templo do Automobilismo!

  8. sinval disse:

    independente de quem era ou foi melhor piloto e bla bla bla
    considero este fato como o inicio do fim de carreira de barrichelo na F1
    esta historia nunca vai acabar ….idependente dos personagens,
    foi a lambança mais “lambança” que a ferrari mostrou pro mundo na epoca.
    ja teria tido algumas “cositas ” nos anos passados com o outro companheiro do alemao do qual nao me lembro, porem foi menos na vista.

  9. Wilian Esteves disse:

    Ele diz que se arrepende, que a Ferrari se arrepende, que o mundo se arrepende. Mas, apenas alguns anos depois, vem o “Fernando is faster than you”. E sempre vão fazer algo do gênero. Isso nunca vai mudar.

    • Paulo Pinto disse:

      A Ferrari não fez “algo do gênero” com Alonso, por um simples motivo: Schumacher devolveu a vitória ao Rubinho em Indianápolis no mesmo ano. Alonso jamais devolverá a vitória na Alemanha ao Massa.

      • Ricardo Talarico disse:

        Só um detalhe.
        O Schumacher não devolveu a vitória ao Barrichello.
        Na tentativa de deixar uma aparência de que tudo estava bem entre eles, quis cruzar a linha de chegada com os 2 carros perto um do outro. Mas, errou no cálculo e o Rubens cruzou alguns centímetros na frente dele.
        Ele mesmo (o alemão) confessou isso.

      • Paulo Pinto disse:

        Em que fonte fidedigna você leu isso?

  10. José disse:

    Lendo isso agora, fico ainda mais com a impressão que eu sempre tive, de que o maior culpado de toda a situação foi o Barrichello. Desde que assinou com a Ferrari, nunca teve peito de admitir que o fez por dinheiro, sabendo que era segundo piloto. Sempre veio com a baboseira de “piloto 1B”. Se assinou contrato, foi porque concondou com os termos. Se discutiram antes da corrida sobre como proceder caso estivesse na frente, deveria ter cumprido o acordo como homem e não como moleque. Pra mim, fugir de um acordo de cavalheiros é ter atitude de moleque e não de homem. Se estava certo ou errado, não precisa ninguém dizer. Óbvio que estava errado. Nem deveriam ter aventado a possibilidade de pedir pro Rubens ceder a posição. E isso a Ferrari deveria ter em mente que não deveria pedir, Schumacher deveria ter na cabeça que não deveria ultrapassar e Rubens mais que todos deveria ter claro que não deveria nem solicitar que não pedissem isso e muito menos fazer da forma que fez.

    Ross Brawn fala hoje que foi um erro pelas consenquências que a Ferrari sofreu com a opinião pública e com a punição da FIA. Se nada disso tivesse acontecido, seria apenas mais um caso como tantos outros.

    Pra deixar claro, sou totalmente contra a atitude que a Ferrari tomou, mas quem acabou amplificando as consequências foi Barrichello. Por isso admiro muito mais o Massa, mesmo deixando claro em seu semblante que discordava da ordem recebida na Alemanha/2010, cumpriu o que havia acordado como homem. Saiu muito melhor “na foto” do que a equipe e Alonso. E nunca “ameaçou” contar nada em livro algum.

  11. Rafael Chinini disse:

    foi uma das coisas mais feias da história.
    trocassem de ordem logo no começo da corrida. do jeito que foi foi péssimo e nem precisa explicar muito, pois todos viram.

  12. Jean Todt já falou isso em 2012 pois essa ordem veio dele, e agora Ross Brawn, fala isso num reconhecimento tardio, mas o Schumacher cedeu a Vitória de Indianápolis pro Rubinho no mesmo ano pra tentar diminuir um pouco essa polêmica.

    • LHL disse:

      leia o comentário do Ricardo Talarico na postagem de Willian Esteves acima.
      Schumacher queria que passassem perto um do outro e acabou errando

      • Sim o Schumacher quis cruzar junto com o Rubinho na linha de chegada na bandeirada Lado a Lado sem que um passasse o outro, mas sem combinar ficou difícil, e com isso o Rubinho acabou ficando com a vitória sem querer querendo. De qualquer forma o Schumacher acaba devolvendo a vitória da Áustria em Indianápolis pro Rubinho pra que ele chorasse um pouco menos.

  13. moisesimoes disse:

    -Eu não sei quem foi mais burro nessa história toda. Ferrari, Shumacher ou Rubens. Ross ficando velho e mais lúcido? Acho que não. Ele e muita gente grande desaprovou na hora a “vitória” narrada (muito bem) pelo Cleber Machado.

    A Ferrari, não importa de quem tenha partida a ordem, tem um antes de Spielberg, e um depois. Não sei na Itália, Inglaterra, Alemanha ou outro canto da Europa, mas aqui a Ferrari conseguiu a antipatia da maioria que acompanha a F1. E ainda teve depois o reforço do “Fernando is faster than you”. Nos EUA, a Ferrari tem um mercado bem consolidado e parece que não abalou em nada a marca.

    Junto com essa antipatia pela Ferrari, aumentou ainda mais a antipatia dos fãns de Senna e Barrichello à Shumacher. Shumi, assim como nenhum outro esportista, não deveria fazer a pose de bonzinho, dentro ou fora do esporte. Se ajuda instituição de caridade, se casa, deixa de casar, separa, põe chifre, isso não importa. Mas ele, com a experiência que tinha, e com um caminhão de troféus, me deixou bastante frustado. Aquilo era desnecessário. O fair play mas adiante nos EUA, em 2002, acusara o golpe, mas não foi o suficiente.
    Até porque no GP de Indianápolis de 2005, se fosse menos ambicioso e olhasse o lado dos fãs da F1, se olhasse que recordes e números tem mais brilho com decisões corajosas como a de Emerson e Lauda, ele não teria disputado aquela corrida de seis carros! Nem Rubens. Nem a Ferrari. Disputar o quê? Shumi, naquela altura poderia bater de frente com a Ferrari que passava por cima, tranquilo. E Rubens já estava de saída mesmo. É aquela sensação do seu time perder o campeonato porque o gol decisivo foi marcado em um pênalti inexistente que o juiz resolvera marcar. E o cara que marcou, comemora tirando a camisa e dando soco no ar.

    O episódio foi mais prejudicial ou mesmo traumático para os torcedores, mesmo. Porque Rubens, o mais ou menos ‘burro’ de todos os envolvidos, deveria ter ganho esse GP da Hungria. A figura de chorão, injustiçado, funcionário obediente, ou segundo piloto coitadinho, foi tudo consequência desse dia horrosso para os torcedores da F1, em especial o pessoal daqui acostumado com Senna, ou Piquet ou Emerson. Porque Rubens, massacrado nas pistas pelo Shumacher (que não tem culpa nenhuma de ser mais rápido e melhor), continuou comendo no prato da Ferrari, ganhando seus milhões. Porque Shumi, apesar da vaias, passou ileso pelo que aconteceu e continuou, junto com a Ferrari, a detonar tudo que era recorde. E depois de polêmicas maiores como as de 1995 e de 1997, o que é um peido pra quem tá todo cagado? -Tanto faz, não tem santo na F1. A Ferrari não dá a mínima pra quem torce pra segundo piloto. Muito menos pra quem é contra/a favor de ordens de equipe. E a F1, sem regras esportivas que legitimem a vitória e as regras da disputa, é omissa e não se importa com os fãs já faz tempo.

    • rogerV disse:

      Muito bem escrito!

    • Paulo Pinto disse:

      A devolução da vitória em Indianápolis não foi o suficiente, cara-pálida? Quantas vitórias o alemão teria que devolver ao brasileiro para quitar a dívida?
      E Alonso, que nem a dívida dele quitou com o Massa?

      • Alessandro Silva disse:

        Alonso e Massa: Uma só!
        Schumacher e Barrichello? Muitas! Spilberg foi só o estopim, a ponta do iceberg. Houveram muitas outras vitórias cedidas ao alemão antes dessa. E nem me pergunte pois não vou lembrar. Mas lembro que essa foi a vitória cedida mais marcante de todas. Barrichello nunca teria sido campeão com as vitórias que lhe foram tiradas na pista ou em pit-stops mais lentos, mas com certeza ele teria muito mais do que onze troféus em casa.
        E se o brasileiro não tivesse feito o que fez em naquele domingo, essa palhaçada descarada continuaria a ser feita até hoje. Agradeçam a ele.

      • Paulo Pinto disse:

        Primeiramente, Rubinho aceitou o “jogo de equipe” antes da prova, o que significa que ele quase “roeu a corda”. Em segundo lugar, prove em quais GPs ele cedeu a vitória. Se não consegue lembrar, esqueça.
        Terceiro: isso é choradeira de pacheco.

      • moisesimoes disse:

        -Na tentativa de defender seu ídolo, Paulo, você não entendeu o sentido da frase ” isso não foi o suficiente”. “Isso” se refere à uma nova atitude da Ferrari a um novo problema que trouxesse, primeiro: A vontade de disputar legitimamente uma corrida e uma vitória;
        Segundo: A liderança de um multicampeao como Shumacher; terceiro: o interesse desportivo da Ferrari pelo evento americano realizado “só” em Indianápolis; e quarto: Menos passividade de Barrichelo que deveria negar uma corrida de mentirinha por uma disputa de verdade. Tudo isso é porque sempre defendo a tese de que automobilismo é sim, um esporte, com regras, com ética. Mas os meus colegas, que não acompanham mais F1 hoje, disseram: “- Eles correm só pelo dinheiro”. Shumacher devolveu a vitória ✌ no mesmo ano, representando os interesses ou seus, ou os da Ferrari, ou de Rubens. Pra mim nao representou que a questão ética esportiva de Spielberg estava resolvida. Ou se resolve assim: “Vou pegar aqui emprestado sem pedir e depois eu devolvo.” Isso é furto. Como disse, a Ferrari nao vê ilegitimidade sobre ordens de equipe, mesmo custando a vitória. Eu não gosto. “Isso” se refere ao sentimento de vergonha que muita gente passou. Em ambos os GP’s ,os torcedores perderam. Eu não queria que a Ferrari disputasse aquele GP, ainda que ela e seus pilotos nao tivessem nenhuma culpa do papelão da Michelin. E Shumi e Rubens ainda se estranharam na pista, tudo sem necessidade. Para ambas as provas , de 2002/2005, burrice, atitude antidesportiva e passiva da Ferrari e de seus pilotos. Sim, essa equipe é a mais tradicional da F1, por isso cobro mais. A solução todo mundo sabe: Chincane na curva 1 e tudo bem.

        - Rogerv:
        * partido
        *frustrado. Valeu!

  14. Ilmar disse:

    É por isso que, desde já, eu dou um ”salve” à Copersucar-Fittipaldi, um ”salve” à Minardi, um ”salve” ao Ayrton Senna, e um ”salve” ao Stefan Bellof, estes dois de onde estiverem…

  15. John Player disse:

    Quase certeza que esse blog foi hackeado por alguém que detesta o alemão….

  16. Fabricio.RC disse:

    Bom… e se o acerto já tinha sido feito antes da corrida, quem sabe o que não já havia acontecido em provas anteriores?
    Por isso não dá pra avaliar ele tal qual foi Rosberg x Hamilton, ou Alonso x Hamilton. Se ganharia algum título mundial em cima do Schumacher, eu diria que não, talvez um quem sabe com muita sorte, mas certamente teria mais vitórias do que conquistou nos seus anos de Ferrari.

    • John Player disse:

      Qualquer pessoa que sabe a diferença de um piloto mediano para um piloto fenomenal sabe que JAMAIS Barrichello seria campeão justo contra o Schumacher.
      Uma corrida, um fim de semana feliz, de vitória, tudo bem.
      Mas Barrichello terminar uma temporada na frente do Schumacher e com carros da mesma equipe ainda por cima, NUNCA.
      É como o Berger batendo o Senna quando os dois estavam na McLaren.

      • Fabricio.RC disse:

        Sennistas precisam citá-lo em qualquer situação, é incrível isso. rsrsrs

        Mas eu vou quotar a parte do texto que não deve ter lido “…Se ganharia algum título mundial em cima do Schumacher, eu diria que não, talvez um quem sabe com muita sorte, mas certamente teria mais vitórias do que conquistou nos seus anos de Ferrari.”

      • jose disse:

        O Al.esi que o diga.

    • José disse:

      Deve ser por isso que o Senna e o Piquet tinham escrito no contrato que o Nakajima não poderia terminar na frente deles se estivessem os dois carros na pista, né? Imagina só o perigo que era esse Nakajima?!?! Tenho certeza que Piquet e Senna nunca chegariam a ser tri-campeões se a Lotus não “sabotasse” o japa…

      Pelamordedeus, cara. Não viaja. Isso é normal na Fórmula 1. Você dizer que “deve” ser por já ter acontecido outras vezes é ser ingênuo demais.

      • Fabricio.RC disse:

        José, é óbvio que deve ter acontecido outras vezes, com outros pilotos e em outros anos, mas eu não tenho provas, nem você. Então, só podemos afirmar que: deve ter acontecido outras vezes.
        Mas nessa vez ficou escancarado o que estava no contrato dele. Você não pode ficar na frente do Schumacher por contrato assinado, e se ficar vai ser mandado embora.
        Sobre a filosofia do Nakajima, você só pode estar de fanfarronice, porque não iria botar nunca ele no mesmo nível do Barrichello, pachequices a parte. rsrsrs

      • José disse:

        Claro qeu sobre o Naka é fanfarronice, né? Pô, até ironia tem que explicar hoje em dia?

        Sobre o “deve ter acontecido outras vezes”, uso o seu mesmo argumento: “eu não tenho provas, nem você. Então podemos (não só) afimar que: não deve ter acontecido outras vezes.” Talvez tenha acontecido dessa forma justamente por ser uma situação nova pra todo mundo. Cara, não justificativa esportiva pra Ferrari fazer o que fez, como também não tem justificativa um funcionário questionar um ordem do empregador prevista em contrato. Digo de novo, Rubens agiu como moleque e não como homem.

    • Rafael Rodrigues disse:

      Argumentos:

      “Barrichello foi vice apenas em 2 títulos ganhos pelo schummi”.

      “Barrichello NÃO foi vice com a Brawn”.

      Acho que isso desmonta qualquer teoria sobre o talendo to Barrica. Piloto bom, mediano e competente. Como dezenas (quiçá centenas) de outros mais. Só isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>