MENU

sexta-feira, 8 de setembro de 2017 - 1:14Corridas de clássicos

DAVID FERRER, 61

RIO - Com muita tristeza soube hoje da morte do francês David Ferrer, 61, que se acidentou sábado com seu March 701 em Zandvoort numa prova de F-1 clássicos — é ele no pequeno vídeo abaixo. Ferrer não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo nesta quinta no hospital.

Ao contrário do que provavelmente faria alguns anos atrás, não vou ficar aqui procurando e apontando culpados. Sei que essas corridas não são 100% seguras, apesar dos circuitos melhores, dos equipamentos de segurança mais modernos, dos procedimentos de socorro atualizados etc. Os carros são antigos, não tem jeito. Carregam consigo todas as deficiências da época. E continuam rápidos, claro. Uma pancada nos anos 70 tinha mais chances de resultar em morte do que hoje. É bastante óbvio.

Quem senta numa obra de arte como essa sabe que está no fio da navalha. É triste, horrível, mas pode acontecer a qualquer momento. Motorsport is dangerous. Há dois anos, quando Justin Wilson morreu na Indy, acho que escrevi o que tinha de escrever sobre a morte que sempre nos espreita numa pista de corridas.

É como decidimos viver. Talvez seja uma escolha para morrer, também.

13 comentários

  1. John Player disse:

    Mas ,aos 61 anos pilotando uma F1 dos anos 70…??
    Muita velocidade, pouco reflexo. Muito arriscado.

  2. Paulo Pinto disse:

    Da mesma forma que a FIA instituiu uma idade mínima para se pilotar um F-1, deveria instituir uma idade máxima para se pilotar o mesmo F-1, incluindo corridas de clássicos.
    Cinquenta anos, na minha opinião, está de bom tamanho.

  3. Jayme Figueirêdo disse:

    Achei muito interessante a publicação e os comentários!
    Parabéns a todos!

  4. D disse:

    “É como decidimos viver.” Perfeito. Um sentimento que devia ser compartilhado pelos pilotos de F1. Sentimento que, se neles existe, deveria ser o suficiente para barrarem junto a FIA o feioso HALO. Descanse em paz, David Ferrer.

  5. Wanderson Marçal disse:

    É um post de reverência, então não vou me aprofundar nessas discussões. Mas é exatamente isso que você disse. A nobreza do esporte e dessa arte está também em desafiar o perigo — como é o boxe, como era desbravar os mares nas grandes navegações, como foi quando Iuri Gagarin orbitou a Terra e disse que o planeta era azul. Foram e são tidos como heróis porque fazem e fizeram algo perigoso, que poucos fariam.

    David Ferrer está nessa seleta lista, daqueles que sacrificaram a vida à arte. E quem afinal pode questioná-los de suas escolhas? Vá em paz, Ferrer.

  6. Carlos Pimenta disse:

    O Acidente com Roger Williamson, foi com um March, também.

  7. Carlos Pimenta disse:

    Caramba Flávio, foi nesta pista que teve aquele acidente com “Roger Williamson”, transmitido ao vivo e em Preto & Branco, para o mundo todo. Eu lembro deste acidente, estava assistindo aquele corrida na casa de meus avós. Agora, sempre pensei essas corridas de clássicos fossem tipo, davam aquela polida nas rodas, na carenagem e andavam uma espécie de corrida demonstração, nada de sentar a Bota, mas pelo visto nada disso, piloto é piloto, e quando pensa que não já tá tirando tudo do engenho.

  8. Alvaro Ferreira disse:

    Na Inglaterra está rolando muita discussão sobre essa questão das corridas de clássicos, FG. Na verdade, eles estão mais rápidos do que na época deles, porque o nível de preparação dos motores evoluiu e os pneus são mais aderentes. E, embora os circuitos sejam mais seguros, aqueles carros continuam sendo tão perigosos quanto antes. Some-se a isso que boa parte dos pilotos são diletantes ou amadores…
    O resultado é que tem havido um aumento no número de acidentes fortes nos eventos em Goodwood, Silverstone, etc, e agora essa morte. Alguma coisa precisa ser feita, seja limitar a preparação ou criar níveis para os pilotos (platina, ouro, prata), por aí…

  9. Leon Neto disse:

    Pessoal, não está relacionado com esse post, mas talvez alguns de vocês se interessem em saber da existência desse filme sobre Steve McQueen:

    http://www.lightworkers.com/king-cool-salvation-american-icon/

    abs

  10. Gustavo disse:

    Pronto, agora os frescos da F1 tem mais um motivo para implementar o halo, aeroscreen ou sei lá mais que diabo eles querem implementar.

  11. Emmanuel Deiró disse:

    Muito triste. Realmente não há como eliminar o risco dessas corridas. No site da categoria de clássicos da FIA (Cosworth V8 de 1968 a 1985) tem os resultados dos eventos com as médias de velocidade e são bem altas, dependendo do circuito (próximas de 180km/h).

  12. Marcel Almada disse:

    FG,
    Essas corridas são transmitidas em algum lugar? São disponibilizadas no vocêtubo? Deve ser bem legal ver esses carros sensacionais com a qualidade de imagem dos dias de hj.

  13. PRNDSL disse:

    Estive em Montreal na F1 deste ano e uma das preliminares foi a corrida de clássicos. Teve um acidente fortíssimo com um Lotus eu acho, a frente acabou… não foi divulgado na autódromo o que aconteceu com o piloto, mas as pernas devem ter sido afetadas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>