MENU

domingo, 22 de outubro de 2017 - 19:25F-1

BELEZA AMERICANA (3)

eua175

SÃO PAULO (falta pouco) - Uma vitória de Hamilton em Austin, a quinta em seis edições da corrida no circuito texano, não era muito difícil de prever. Foi tranquila, com uma parada apenas, sem grandes sustos, brevíssimos momentos em que não esteve na ponta. Deu mais um passo, enorme, para conquistar seu tetracampeonato. Deve fechar no México — o de Construtores, matematicamente, a Mercedes ganhou hoje. E ainda recebeu seu troféu das mãos de Bill Clinton, uma das muitas celebridades presentes ao GP dos EUA.

Foi uma corrida legal, e polêmica por conta da última volta, em que Verstappinho, num movimento genial, passou Raikkonen para assumir o terceiro lugar e só foi perder a taça quando já estava na salinha pronto para subir ao pódio. Por cortar caminho por fora dos limites da pista, de acordo com os comissários (e as imagens são bem claras, é preciso admitir), o holandês foi punido com 5s em seu tempo e a posição foi herdada pelo finlandês da Ferrari. Vettel ficou em segundo, onde largara. E a diferença na tabela foi a 66 para o inglês, que para ser campeão no Hermanos Rodriguez precisa apenas de um quinto lugar, mesmo se o alemão ganhar. Acabou.

Depois de Lewis, Vettel, Kimi e Verstappen, os quatro primeiros, chegaram na zona de pontos Bottas (apagado), Ocon (ótimo), Sainz Jr. (estreando muito bem na Renault), Pérez, Massa e Kvyat. Algumas boas atuações e muito oba-oba dos organizadores podem até não ter feito desse GP um evento inesquecível, mas foi divertido e marcante. Já desde antes da largada, quando os pilotos começaram a ser chamados por um famoso locutor de boxe (esqueci o nome, mas não sou exemplo para ninguém, vivo esquecendo nomes), como se adentrassem um ringue. O público adorou.

eua180

Sobre essa a apresentação dos pilotos, que para muita gente foi a coisa mais importante do GP, vou falar em outro post, porém. Provavelmente amanhã, e também no “GP às 10″ ao longo da semana. Beleza assim? Entendo que tenha causado tanta espécie. É uma mudança estética bem visível e merece algumas palavras. Mas vamos à corrida — que, no fim, é o que mais importa.

A largada de Vettel foi excepcional, finalmente, e ele foi decidido para a primeira curva. Hamilton respeitou, até tentou recuperar a ponta, mas percebeu que o alemão não iria aliviar em nada — e nem deveria. Por isso, evitou uma queda-de-braço prematura. Não era necessário.

Bottas x Ricciardo foi o primeiro duelo de nível, e o finlandês não se rendeu ao sorriso de muitos dentes do australiano, mantendo a terceira posição na primeira investida da Red Bull. Na segunda, também. A questão era ver onde iria parar aquela disputa, até então belíssima.

Sebastian, com outras preocupações em mente, tratava apenas de tentar escapar de Hamilton. Não estava fácil. Lewis não deixava a diferença passar muito de 1s e dava a impressão de que tinha alguma sobra de equipamento. Sem muito esforço, ia fazendo voltas rápidas e ciscando no retrovisor do alemão, que se esgoelava para ficar na frente.

E na primeira tentativa de ultrapassagem, na sexta volta, Hamilton mostrou que estava sobrando, mesmo. Mergulhou na freada para o grampo e passou. Tião Italiano não tinha muito o que fazer. Viu o Mercedão passando à sua esquerda e se conformou com o que o destino lhe reservava para a tarde ensolarada no Texas. No máximo, um segundo lugar.

Restou, então, deixar as coisas lá na frente por um tempo para ver o que Verstappen andava aprontando. Lá de trás no grid, 16º depois de várias posições perdidas por troca de motor, o holandês já estava em sétimo na nona volta. Como tinha pneus supermacios contra os ultra-gosmentos da maioria, faria sua primeira parada bem tarde, naquela clássica corrida de recuperação — clichê que não tem nenhum equivalente, então vai esse mesmo. Na décima volta, o jovem Max passou Ocon e assumiu o sexto posto. Com isso, a ordem natural das coisas se estabelecia, com os seis pilotos das três principais equipes nas seis primeiras posições.

Voltando à vaca fria da disputa do título, cinco voltas depois de passar Vettel, Hamilton já abria mais de 3s de vantagem para o alemão da Ferrari. Cheguei a pensar cá com meus botões se Lewis não teria deixado o rival passar na largada de propósito, só para dar uma breve alegria ao entusiasmado público de chapéu, botas, esporas e fivelas enormes nos seus cintos de caubóis. Algo para vibrarem, sacaram? São tão legais, por que não?

No final da volta 13, ao perder Bottas de vista, Ricciardo abriu a janela de pit stops dos ponteiros, logo depois de ser atacado por Raikkonen. Voltou em nono e na minha bolsa de apostas particular anotei: vai chegar atrás do Verstappen, o que fará com que aquele sorriso desapareça por algumas horas.

Mas nem deu tempo para registrar a aposta num cartório. Três voltas depois, Ricardão abandonou com o motor quebrado. Assim, meus possíveis ganhos foram invalidados pelo Alto Comissariado de Apostas no Meio das Corridas. Já era.

Vettel parou na volta 17 e colocou pneus macios. Duas voltas depois, foi Bottas a levar o carro para os boxes. Na 20ª volta, Hamilton trocou os pneus também e, como fizera a Ferrari com Sebastian, colocou macios. Saiu dos boxes numa preguiça comovente e, quando se deu conta, Vettel estava colado nele. Oh, vai ter briga pela liderança de novo!

Coitado de Vettel… Se pensou o mesmo, também se deixou levar pelo otimismo exagerado. Lewis olhou no espelhinho e viu um carro vermelho chegando rápido, é verdade. Opa, esse aí não é o Vettel? Era. Tomou um sustinho. Durou duas curvas. Acelerou e foi embora de novo. Depois, deu uma cornetada na equipe, dizendo que “foi perto”, dando a entender que a Mercedes poderia tê-lo chamado antes.

Verstappen assumiu a liderança, então, sem pit stops, ainda. Hamilton chegou nele rapidinho e, com pneus novos, passou sem grande dificuldade reassumindo a ponta. Max finalmente parou na volta 25, no mesmo instante em que Alonso, que fazia boa corrida em oitavo, abandonou — motor, claro.

O holandês tinha uma estratégia para pódio. Restava saber quanto tempo seus pneus macios aguentariam com uma performance aceitável. Voltou em quinto, pouco mais de 21s atrás do líder. Teoricamente, todos à sua frente ainda teriam de fazer mais uma parada. Ele, talvez não. Até um segundo lugar seria possível. Pensei em apostar novamente, mas o Alto Comissariado de Apostas no Meio das Corridas vetou porque já estávamos na volta 28, exatamente metade do GP dos EUA — e a jogatina só é válida, de acordo com o regulamento, até uma volta antes da metade.

Felizmente não apostei nada, porque Verstappen acabou parando de novo, na volta 38. A borracha não iria suportar tanto. E a decisão da Red Bull foi esperta. Max estava bem perto, já, de Bottas e Raikkonen. Ao parar antes dos dois, teria pneus novos por mais tempo. A ideia era ganhar, pelo menos, as posições de ambos, que já tinham pneus mais velhos e não iriam parar mais. A Ferrari reagiu rápido chamando Vettel, para não correr o risco de perder o segundo lugar, também, e deixá-lo até o fim da corrida com borracha nas mesmas condições que o garoto rubro-taurino.

Kimi, enquanto seus pneus aguentassem, estava disposto a mostrar serviço. Na volta 42, foi para cima e passou Bottas, assumindo o segundo lugar. Não faltava muito para acabar a corrida. Hamilton estava 9s5 à frente. O inglês não iria parar mais. Àquela altura, seria um suicídio. Se fosse para uma segunda troca, Kimi se manteria na pista até se não tivesse mais borracha em torno de suas rodas. Enquanto isso, Verstappen vinha chegando. Do ponto de vista estratégico, era um bom GP. As definições ficariam para as voltas finais, e tudo dependeria daquilo que os pneus de cada um entregariam.

Vettel, em quarto com pneus ultramacios novos, se aproximava rapidamente de Bottas. Verstappen vinha babando junto. Os três primeiros, já estava claro, tinham uma estratégia de pit stop único, mesmo perdendo rendimento no fim. Hamilton era o único tranquilo, podendo administrar a vantagem sobre Kimi, que já saltava para mais de 12s a oito voltas do final. Ele e Bottas, por sua vez, teriam de se preocupar mesmo era com Vettel e Verstappen.

Sebastian, então, começou a sair à caça do segundo carro da Mercedes, para garantir pelo menos uma tacinha. E chegou muito rápido. Na volta 51, com pneus em condições bem melhores, se atirou por fora na Curva 1 e levou, numa manobra linda. Na sequência, chegou igualmente rápido em Raikkonen, que não ofereceu resistência, e assumiu de novo o segundo lugar. Mais atrás, Verstappen também passou Bottas, que praticamente sem pneus acabou parando para uma segunda troca — o pódio já estava perdido, mesmo.

Restando três voltas, o máximo que poderia acontecer era Verstappen atacar Kimi pelo terceiro posto. Havia uma chance, estava mais rápido por conta de seus ultramacios mais novos que os macios esgarçados do #7 da Ferrari. E ele chegou de vez na última volta, que seria um martírio para Raikkonen.

eua179

Foi mesmo. Max, com uma destreza muito acima da média, não se jogou como um doido, esperou pela hora exata e na penúltima curva conseguiu a ultrapassagem num ponto improvável, recebendo a bandeirada em terceiro de forma brilhante. Seria um pódio dos mais merecidos e belos da temporada. Mas não levou.

A direção de prova considerou que Verstappen fez a ultrapassagem por fora dos limites da pista, perdendo 5s em seu tempo de prova. Assim, Kimi recuperou a terceira posição. O piloto da Red Bull foi avisado na salinha. Não falou nada. Nem olhou para a cara de Raikkonen, que fora chamado para seu lugar. Desceu as escadas e foi embora.

Do ponto de vista legal, acho que as imagens não deixam muitas dúvidas sobre a irregularidade nesse exato instante. Mas… Mas… Ah, sei lá. Não pode, não pode. Mas deveria poder. Ou não. Acho que pôde o fim de semana todo, vi gente andar no vermelho o tempo todo. E não aconteceu nada, nem nos treinos, nem na corrida. Sei lá. Regra é regra, é o que dirão os legalistas. Eu responderia apenas que é pena que existam algumas regras.

Para tudo na vida.

154 comentários

  1. Anselmo Coyote disse:

    Muitas, aliás, muitíssimas pessoas acham que a punição a Verstapen foi injusta. Foi de uma plástica sensacional, mas ilegal e por isso não valeu.
    Porém, uma enquete (se é que é preciso isso) mostraria com facilidade que nenhuma dessas pessoas (algumas até indignadas) aceitaria que fosse validade um gol impedido contra seu time de futebol predileto. Nem no início, nem no meio nem no final do jogo.
    Abs.

  2. Newton disse:

    Acho complicada a punição a Verstappen, mas correta. A faixa vermelha de asfalto substituiu a grama e brita nos limites da pista por segurança. Se os pilotos forem avançando sobre ela vão chegar de novo na grama, aumento o risco de acidentes graves e tornando a medida inócua. Ou terão segurança ou “show, incluindo batidas”. Show com o c* dos outros é fácil de pedir.

  3. J Alves disse:

    Foi uma pena a punição, porque foi um momento bonito e empolgante, mas vejamos bem… Todo mundo fez aquilo, vírgula.

    Sim, todo mundo saiu da pista, seja nos treinos ou na corrida, na saída daquela curva de alta (sei lá o nome do trecho) –que eu tenha visto foi só ali, se teve outros incidentes, não notei. Em GPs do passado, era motivo para invalidar volta rápida, e eu até achei que isso aconteceria no sábado (sei de nada, inocente).

    Mas ali todo mundo levou a mesma vantagem de ir um pouco mais rápido na volta. Não teve alguém ultrapassando outrém por fora dos limites (tipo cortar chicane). Pelo menos foi assim que eu entendi a situação…

    A única salvação do holandês, talvez, seria argumentar que ele foi pra fora porque estava evitando batida. Só que ele estava acelerando feito doido pra passar, diminuindo o raio da curva, então acho que não cola.

  4. Cabljunior disse:

    Só tenho uma pergunta. Por que a regra não valeu para todos os outros, visto que durante todo o final de semana vários pilotos fizeram o mesmo?, Se MAX levou vantagem, os outros também levaram, seja disputando uma posição ou na classificação ou treino livre, não importa. Incoerente.

  5. Fernando disse:

    Sempre achei que o dia em que Lewis conseguisse controlar seu lado mental, seria muito difícil batê-lo. Pois bem ele conseguiu alcançar um controle mental das coisas que parece que nada o afeta. O contrário de Vettel que ainda dá muito xilique. O Schumacher era frio e calculista, Hamilton atingiu isso agora, e neste estágio ganhar de um piloto assim eh quase impossivel. Com carros iguais talvez só Alonso pra peitar Lewis na pista e Verstappen por ser metido mesmo.

    • Eduardo disse:

      Alonso já teve o Hamilton como companheiro e levou um baile chegando até as pilantragens comuns dele como ficar com o carro parado no box para não permitir que o Hamilton trocasse pneu e voltasse para a pista antes do término do treino. Isso no primeiro ano do Hamilton na F1

      • Segafredo disse:

        Procure se informar coxinha! Alonso foi preterido na Mclaren em 2007. A “sacanagem” dos boxes teve vários motivos, o principal deles era que Alonso levou um caminhão de dinheiro junto com ele pra Mclaren, era o 1°piloto, não recebia os privilégios que tinha por contrato e ainda por cima estavam passando os acertos de carro a Hamilton, que sempre muito veloz, disputava ferrenhamente com o Espanhol aquele campeonato. Alonso deu um basta fazendo valer sua posição de piloto principal, quando boicotou Hamilton com aquele episódio na Hungria. E mesmo depois de ser preterido na equipe acabaram empatados no campeonato…….Baile?? menos bem menos ok?

      • Pangaré 14 disse:

        Empatados no campeonato… onde, Sennafredo? Não existe empate nas colocações dos Mundiais da categoria. Procure se informar, xará!

        Alonso não levou baile, mas perdeu para um estreante pilotando o mesmo carro.

        #AceitaQueDóiMenos…

  6. JOSE ROBERTO disse:

    Hamilton excelente piloto, mas vcs já pararam para pensar quem seria Hamilton hoje numa Sauber ou na McLaren atual?!?!
    Ia tá lá atrás feito Alonso, Massa, etc.
    Infelizmente a F1 recente é dominada por uma equipe por vez e produz “grandes campeões”, “gênios do automobilismo”, “nunca houve piloto assim”, vide Ham, Vettel, Schumacher, etc.

    • Nelson Piquet sempre foi um piloto que andava na frente. Até 1988 quando, apesar de campeão mundial no ano anterior, não tinha clima para se manter na Williams e foi para a Lotus-Judd, no lugar de Ayrton Senna. Só andou lá atrás.

      Há muito tempo a F1 é assim, não adianta ser um pilotaço se não estiver no melhor carro. Sempre foi assim pelo menos nos últimos 25 anos.

      • Segafredo disse:

        Corrigindo meu amigo…….a Lotus em 88 usava motores Honda! Piquet não venceu na Lotus por outro motivo ok?

      • Edu Zeiro disse:

        Em 1988, filho, TODO MUNDO andou lá atrás (15 vitórias da McLaren em 16 corridas, lembra?). Nem se tivesse ficado na Williams. E Piquet falou, na época e depois, que foi para a Lotus para ganhar (muito) dinheiro. Ah, e só como reparação, em 1988 a Lotus também corria com Honda. Judd foi só em 1989.

  7. Ron disse:

    Que foi uma tremenda ultrapassagem do Verstappen, foi. O problema é que o vídeo entregou como aconteceu: por fora da pista, numa área mais interna do que a própria zebra da curva.
    Se houve alguém que executou manobras assim durante a corrida e não foi penalizado, então foi erro dos comissários.

  8. Garlet disse:

    O que diabos fizeram com o CARRO DO BOTTAS? Tem um cilindro a menos agora? Sei não eim……………

  9. Paulo F. disse:

    Santa vigarice!
    O Verspatinho feio é holandês. Imaginou se fosse brazuca!
    Tá pensando o que que língua de pato é mariola?
    A cara dele na antessala do pódio valeu a corrida.
    E o Kimi é o cara mais cool do pedaço! De óculos escuros e sem boné no pódio!
    Lewis está com 4 dedos no caneco! Só uma catástrofe com as dimensões de um dilúvio impendem o tetra!

  10. Ivo Rettor disse:

    O que me impressiona é como a gobolixo estraga as pessoas, o Luciano Burti sempre foi agradável de se ouvir, mas agora ele tá contaminado pelo padrão globolixo e esta deteriorados!

  11. Pangaré 14 disse:

    Quando o narrador anunciou que Alonso iria correr em Austin com o mesmo capacete que usou na prova das 500 milhas, eu logo pensei: o motor Honda vai “abrir o bico”, igualzinho ao motor Honda em Indianápolis.

  12. João Pereira disse:

    Algo está mal. Eu desde sempre um apaixonado por F1, desde os idos de 1972, nem lembrei que havia grande prémio, onde se disputava o titulo.
    Será que tenho Alzheimer, ou será outra coisa qualquer?…

  13. Carlos Pimenta disse:

    Lembro das palavras do Senna, após o GP de Mônaco de 84 quando foi sacaneado. “Quem pode mais, chora menos”. É Max, alguma corridinhas na chuva não vão te dar privilégios não, se espelhe no Senna. Agora, vendo e revendo o vídeo do Senna, na revanche do Japão, tem de ter muito sangue frio, e ter muito controle para acertar o cara de propósito, penso eu.

    • Segafredo disse:

      O que eu penso sobre 90? Acredito que Ayrton meteu o bico e, imaginando que Prost o veria, iria aliviar. Só isso explica a tremenda burrice do francês………..ele não viu Senna ali na tomada da curva ou não imaginou que ele estaria ali.

      ……. é um tanto confuso sim, mas é no que acredito!

  14. Alex disse:

    Não sei se repararam, mas este novo motor Renaut que estava no carro de Sainz e Verstapen acho que chegou ao nível da Ferrari. Fiquei reparando que Verstapen quando seguia Raikonen, mesmo antes de abrir a asa, dava uns 2 a 3 km a mais na reta que a Ferrari. Por mais que se diga que usem menos asa, eu não acredito porque ele colava nas curvas de alta.

    Só falta mesmo um modo classificação para eles virem com tudo.

    • Amaral disse:

      Muito boa observação. Mas pra mim parece que falta ainda um tantinho pra chegar no mesmo nível. Mas que houve evolução, houve.
      É só impressão minha ou a Renault tem o carro mais arrastando no chão do que o restante? Parece carro rebaixado na rodovia, de tanto que bate no chão quando o piloto dá o pé. Sainz nem parecia que tinha mudado de equipe. Essa dupla vai dar caldo no ano que vem, e se o motor realmente corresponder quando parece, 2018 vai bombar.

  15. Segafredo disse:

    Bela corrida, com pegas interessantes. Hamilton com muita tranquilidade mostrando ao Schukrutinho o seu devido lugar. Perdeu a posição na largada mas soube como ninguém e de forma categórica, executar de forma irrefutável a manobra que lhe devolveria a posição de merecimento. Parabéns ao 44 por mais essa vitória e pelo merecidíssimo Tetra!

  16. Mônica disse:

    O meu gatão fez uma corrida cerebral e ainda ajudou o companheiro de equipe, sem se deixar intimidar com o afobadinho do garoto. E o pódio pertenceu aos campeões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>