MENU

sábado, 18 de novembro de 2017 - 21:18Automobilismo internacional

SENNA, PIQUET, FITTIPALDI…

BRUNOcampeaop2

RIO (a vida, ah, a vida…) – Há 26 anos, um Senna comemorava um título mundial. Era Ayrton, na Fórmula 1. Há 43, um Fittipaldi fazia o mesmo, Emerson. Há 30, um Piquet.

Hoje, um Senna conquistou um novo título mundial, na categoria P2 do WEC. É Bruno, sobrinho de Ayrton. Ontem, outro Fittipaldi, Pietro, neto de Emerson, ganhou a World Series — vá lá, é um campeonato fraco, mas tem esse caráter mundial até no nome. Há dois anos, foi um Piquet quem levantou a taça numa competição com status mundial, a Fórmula E — Nelsinho, que também corre no WEC e aparece na foto aí em cima depois de mais um pódio na P2 pela mesma equipe de Bruno, a Vaillante Rebellion.

E que não se esqueça de um Prost, Nicolas, companheiro de Bruno e Julien Canal no carro da Rebellion, que só não será considerado campeão mundial também porque não disputou uma etapa do campeonato, em Nürburgring, porque estava defendendo a Renault na Fórmula E. Filho de Alain.

Da mesma forma, não nos olvidemos do campeão mundial de F-1 do ano passado, Nico Rosberg, filho de Keke. E de um dos grandes destaques da atualidade, Max Verstappen, filho de Jos. Ou de outros que estão no grid, como Sainz Jr. (filho de Carlos, do rali) e Kevin Magnussen (rebento de Jan).

Filhos, netos, sobrinhos, afilhados, agregados… Não é exatamente uma novidade essa passagem familiar de bastões. São inúmeros os exemplos de descendência direta e indireta no automobilismo, em alguns casos de pilotos muito bem sucedidos, inclusive, como Damon Hill e Jacques Villeneuve — para não falar nas dinastias americanas, famílias como Andretti, Unser, Earnhardt e muitas outras, assim como no Brasil com os Serra, Gomes, e se buscarmos vamos achar muitos etcéteras.

A coincidência é ver os três principais sobrenomes do automobilismo brasileiro conquistando títulos mundiais em tão pouco tempo — nos casos de Bruno e Pietro, no mesmo fim de semana e na mesma pista, no Bahrein. Fittipaldi, Senna e Piquet estão indelevelmente ligados à história do esporte no país por suas conquistas, e suas sagas têm tido seguimento, ainda que aos trancos e barrancos. No caso dos Fittipaldi, já é a terceira geração, que teve em Christian o primeiro sucessor dos irmãos Emerson & Wilsinho.

Não dá para comparar, porém, nenhum dos descendentes aos ancestrais originais, seja no talento, seja nas conquistas. Todos se esforçaram, lutaram, ganharam muitas coisas, perderam outras tantas, mas não conseguiram igualar os feitos dos, digamos, “originais”.

É verdade que há casos, como os de Nico Rosberg e Max Verstappen, em que as crias se saíram muito melhor que seus pais — claros exemplos de evolução da espécie. Em outros, isso não aconteceu nem de longe. Só dá para dizer que Nicolas é filho de Alain, por exemplo, através da observação dos peculiares narizes da família Prost.

Mas é tudo, insisto, normal. Na história do automobilismo mundial, filhotes se espelham nos pais, tios e avós, e alguns tentam seguir seus passos, orgulhosos. Eles não herdam talento, necessariamente, não existe essa história de DNA, mas certamente saem na frente de seus rivais porque o caminho das pedras que irão trilhar é bem conhecido por quem já tropeçou em várias delas.

Ajuda, e muito.

19 comentários

  1. Bruno Senna fracassou na F-1 e Fórmula E, mas foi encontrar seu sucesso em outra praia na categoria P2 do WEC sendo campeão do mundo. Infelizmente aqui no Brasil essa categoria é de outro planeta e o povão em sua maioria nem sabe que existe.

  2. Rodolfo disse:

    ” Só dá para dizer que Nicolas é filho de Alain, por exemplo, através da observação dos peculiares narizes da família Prost”

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Brabham-5 disse:

    Eu não teria muitas esperanças.
    Afinal, daqui uns anos vão querer também nos empurrar os filhos do Barrichello, o filho do Massa…Hahahahaha!!

  4. Brabham-5 disse:

    Ai daqui uns anos vem o Mick Schumacher e acaba com a alegria de todos esses daí.
    Hehehe!

  5. Brabham-5 disse:

    De todos citados, apenas Max Verstappen superou/supera em talento o pai.
    Porque apesar de idiota, mau educado, mimado e MOLEQUE, Max tem talento mesmo, está longe da perebice do pai como piloto.
    Deve ter puxado o talento da mãe para pilotar, do pai, só puxou o caráter.

  6. Marcelo disse:

    Amigo Flávio,
    Sempre lendo o blog mas escrevendo pouco, mas me divirto com suas “respostas” rs.
    Respeito o Bruno Senna, entendo que o sobrenome abriu muitas portas, mas acredito que ele conseguiu “sair” das cobranças em “substituir o tio” e procurar criar sua carreira Independente.
    Conseguiu um título importante!
    Abraços a você!

  7. Rogério disse:

    Flávio, sei que o tema é títulos de sucessores, mas e Mick Schumacher?
    Não me parece um super talento, até agora… O que acha?

  8. Celio ferreira disse:

    Corridas , são oportunidades na vida de cada piloto, no lugar certo na hora certa.
    Bruno se achou no WEC ….o resto o que fez a diferença foi a capacidade …

  9. Carlone Papa disse:

    Muito bem lembrado. E estamos carentes mais do que nunca desses grandes nomes em tempos de inaceitável escassez de bons pilotos brasileiros.
    Lembrando que desponta também um Schumaquinho por aí fazendo bonito também. .

  10. Weber disse:

    Creio que se o Senna não tivesse morrido, o Bruno não teria interrompido seu desenvolvimento e teria trilhado um caminho menos tortuoso no automobilismo. Talvez estivesse na F-1 melhor preparado, mas nunca saberemos…

  11. felipe disse:

    boa flavio,

    otimo texto, desses que adoro ler, somente sobre o esporte.

    texto macio, elegante e nada previsível… comparável à uma volta de senna na chuva de donington…. assim como o piloto encontrava uma linha que somente ele saberia seguir você o faz nas construções das frases, do texto.

    muito bom, obrigado!
    #paz

  12. Edison disse:

    Eles têm sobrenomes de respeito e, principalmente, grana, isso sim ajuda muito.

  13. Manoel santos disse:

    Fitipaldis? Que me paguem. Velhacos……devem e discutem na justiça. E depois querem dar explicação. Tropa de sem vergonhas.

  14. Fernando Cruz disse:

    “Todos se esforçaram, lutaram, ganharam muitas coisas, perderam outras tantas, mas não conseguiram igualar os feitos dos, digamos, “originais”.`”

    No caso do Bruno também não sabemos se conseguiria ou não igualar os feitos do Ayrton se este não tivesse morrido. Certamente iria ter um professor como mais ninguém teria e também nunca teria deixado de competir entre 1994 e 2004, o que atrasou muito o seu desenvolvimento. E mesmo assim convém notar que ele esteve perto de conseguir aquela vaga na Brawn em 2009, o que a acontecer teria feito toda a diferença na carreira dele na F1. Provavelmente não seria campeão, sobretudo num primeiro ano, mas tinha tudo para vencer grandes prémios e firmar-se na F1., tal como aconteceu com o Damon Hill.

    Recorde-se que Hill esteve na melhor equipa da F1 nas suas primeiras quatro temporadas completas, entre 1993 e 1996, sendo campeão neste último ano. Com essas condições acredito que o Bruno (que teve resultados ligeiramente melhores do que o Hill nas categorias de acessso) iria construir uma carreira semelhante na F1. Mas para ter as mesmas condições do Hill precisava mesmo de ter entrado na Brawn em 2009 e ter o melhor carro até final de 2012, com a possibilidade de fazer milhares de quilómetros de testes antes de cada época e durante as mesmas, como o Hill teve. Isto é, seria mesmo impossível ter condições tão boas como o Hill teve. Mas o inglês provou que começar tarde não é impedimento para uma carreira de sucesso na F1 quando se têm as oportunidades certas.

    Portanto na F1 o Bruno não teve as oportunidades certas e por isso foi desperdiçado e não foi tão bem (tal como acontece com tantos outros). Na FE também não apanhou uma boa equipa, porque numa Renault e-Dams certamente ganharia corridas e lutaria pelo título, como aconteceu agora na LMP2. Convém ainda não esquecer que a Rebellion Vaillante foi uma das melhores equipas desde o início e teve no Bruno o piloto mais consistente e mais rápido, apesar de Nelson Piquet Jr. também lá estar com o mesmo material. Mas só uma vez conseguiu bater o Bruno (na qualificação de Fuji, por 3 décimos). Muitos não esperavam que o Bruno tivesse batido o Nelsinho logo na primeira vez que foram colegas de equipa, mas foi o que aconteceu. Acho que isso também valoriza o título agora conquistado.

  15. Zé MCZ disse:

    Realmente é muito difícil carregar um sobrenome famoso nas costas e por mais que se tente superar, sempre haverá as comparações. Sorte do Max que em vez de carregar, é o paizão que diz assim, com o peito estufado:
    - Esse é o meu menino!
    É o menino de todos que sabem enxergar um talento nato…
    Eu imagino que o Pietro também tenha talento e certamente o sobrenome lhe abrirá caminho e que tenha o brilho próprio!
    Torço bastante!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>