MENU

domingo, 3 de dezembro de 2017 - 16:33Nas asas

NAS ASAS

Sempre achei que uma companhia aérea que se preze tem de ter um 747. A Varig tinha mais de um. Cheguei a voar num deles, acho que para o Japão — mas não tenho certeza. De qualquer maneira, a foto é maravilhosa para lembrar dos bons tempos da companhia. Não sei se esses dois seguem em operação por outras empresas, é bem provável. Fico emocionado até hoje quando vejo um Jumbo. Esses aí, então, com essa pintura…

jumbaovarig

50 comentários

  1. O Boeing 747 foi o maior avião de passageiros do mundo, agora o maior é o Airbus A380. 31 de out de 2017 – Boeing 747-400 da United: fim de linha (Divulgação). Na próxima terça-feira, 07 de novembro, uma carreira de 47 anos, nove meses e 16 dias pode chegar ao fim: o Boeing 747 deixará de voar por companhias aéreas dos Estados Unidos em rotas regulares de passageiros. Conforme essa notícia a Boeing já pensa em parar de produzir o 747.

  2. PRNDSL disse:

    Eu também voei para o Japão em um 747 destes (Varig é claro…)!

  3. Dippold disse:

    Infelizmente todos os 747 que pertenceram a Varig foram baixados, o último PP-VPI um 400 (Air New Zealand) foi baixado em 2014 e estava no deserto de Victorville.

  4. Carlos Pimenta disse:

    Flávio, este ano fizeram 40 anos do acidente em Tenerife, entre um KLM e um PAN AM. Se tiver a curiosidade de ler sobre este acidente: os fatos que antecederam, como a explosão de uma bomba no aeroporto principal, fez com que desviassem os voos para um aeroporto de pequeno porte, legislação Holandesa rígida no cumprimento de horas de voo da tripulação (KLM), comunicação não uniformizada á época, neblina pesada, isto e muito mais, fizeram que dois Jumbos chocassem em terra, com o piloto do PAN AM gritando na cabine: ELE ESTÁ VINDO PRA CIMA DA GENTE” Dai tentam dar potência e sair da frente, e o KLM tenta subir, mas sem potência suficiente arrasta a barriga no PAN AM roda no próprio eixo e explode. Tem relatos impressionantes do acidente. Depois deste acidente, muita coisa mudou na comunicação de Torre. Vale a leitura. Há 40 anos´.

    • CLAUDIO disse:

      Pimenta esse acidente foi causado por uma série de fatores:
      -Congestionamento num aeroporto alternativo menor devido o prioncipal estar inoperante, então a capacidade de trafego estava no limite, iso já era um alerta.
      -mau tempo baixa visibilidade
      -estresse das tripulações por terem de usar esse aeroporto alternativo: atrasos, horas de voo, voos charter de ferias, etc…
      -Falha e deficiencia na comunicação entre torre-tripulações,
      -Uma unica frase deturpada pela interferencia de microfonia no radio foi a gota dágua., o piloto KLM nao pode ser informado completamente e corretamente e acabou decolando antes da hora. O panam também errou ao sair da pista principal pois se confundiu pela comunicação com ingles misturado com espanhol e pouca visibilidade…..
      -Nada foi um erro muito exagerado mas pequenos erros somados acabam causando catastrofes…….
      -depois dessa tragedia como em outras importantes modificações nos procedimentos e equipamentos foram aplicadas.

      • Carlos Pimenta disse:

        Isso mesmo Cláudio, e houve uma explosão de bomba no aeroporto principal, motivo de desvio dos voos para o pequeno aeroporto. Os relatos são minuciosos, e tem razão, uma sucessão de erros culminou na tragédia, coisa de filme. A comunicação nas cabines segundos antes do acidente é puro pavor. Valeu

  5. Gus disse:

    Existiam poucas coisas mais elegantes que a combinação da pintura da Varig com o Jumbo…nunca fui ufanista – mas para mim – não existe identidade visual mais bacana do que essa entre todas as companhias aéreas que já existiram.
    Têm um livro muito bem recomendado sobre a história da Varig, creio que é Berta o nome; vou atrás dessa leitura.

  6. Giuliano disse:

    Os aviões de 4 motores serão aposentados dentro de alguns anos, o A380, só funciona em casos específicos como a Emirates que junta um monte de gente em Dubai e os despacha para grandes cidades dentro dele, a questão principal é que os motores alcançaram uma confiabilidade tão grande, que os bimotores , 767, 777, 787, A330, A350, já conseguem voar em Rotas que por motivo de segurança era obrigatório o voo com quadrimotores, exemplo Santiago Chile para Sidney Austrália, é realizada pela LAN com A340 de quatro motores já que a maior parte da rota voa sobre as águas do Pacífico sem aeroportos alternativos.

  7. Antonio disse:

    Os Jumbos demoraram muito para pousar aqui em Curitiba. Atualmente desce um ou dois cargueiros por semana, com umas pinturas bem ridículas, nada parecido com o elegante azul e branco da Varig. Se vejo um deles, paro tudo o que estou fazendo pra ver o deslocamento lento nas chegadas e partidas. É o meu preferido.

  8. Os quadrimotores são espécie em extinção. Os únicos em linha de produção são o 748 e o A380. Ambos vem patinando nas encomendas.
    747 ainda tem aeronaves voando a rodo por causa da grande disponibilidade de peças. os -400 ainda são muito solicitados no serviço de carga.
    No entanto, apenas para efeito de comparação, um CF6 que leva um 747-400 fornece 54.000 lb de empuxo. A GE-90 do 777 fornece 115.ooo lb. O dobro de empuxo com consumo parecido. Pra que usar 4 quando você pode fazer o mesmo serviço com 2?
    Antigamente havia regras sobre travessia do Atlântico e somente tri e quadrimotores poderiam fazê-lo com passageiros. Com o aumento da confiabilidade e potência dos motores foi criado o ETOPS e hoje atravessar o Atlântico de bimotor é muito comum.
    Com a a evolução dos motores e materiais de aeronaves, em breve atravessaremos o Atlântico com A320 Neo e 737-Max (talvez a seleção faça isso quando embarcar para a Rússia)

  9. Carlos Pimenta disse:

    No filme “Aeroporto 77″, época do Cinema Catástrofe, a história se passa num 747, eu amava ver aquele filme só por causa do bichão. esse avião pra mim é o máximo em avião civil, nem o Concordo, pra mim desperta tanto fascínio como um Jumbo. Para ter uma ideia da imponência e exagero, fica a célebre frase de Sir Jackie Stewart, sobre a ultrapassagem do Nelson em cima do Ayrton:
    “Foi como fazer um looping com um 747″. Jackie Stewart

  10. Danir disse:

    Tenho um carinho especial por este avião. Já tive o privilégio de preparar o plano de carga de um voo chartes e carregar 103.500 kg de carga num bicho destes. Toda a operação feita pelo nosso pessoal, menos o estrapeamento ( fixação por cintas de nylon que deve obrigatoriamente ser feito pelo load master da companhia). Quando o Jumbo correu a pista de Campinas dando força total nos motores, estávamos na lateral da pista apreciando a decolagem á la B-52, sem fazer a rotação, e mantento o curso até ganhar altura e tomar a proa de seu destino.. Naquela época, colocar 103.500 kg de carga num Jumbo, era atingir a capacidade limite da aeronave, e com a massa adicional do combustível, ele precisava de muita pista para sair do chão. Este foi um dos meus ícones na aviação, o outro, que eu tambem carreguei no talo foi o B-707, um avião excepcional. Bons tempos aqueles. Pode ser que bi turbinas, Etops e economia de combustível sejam a tendência, mas nada se compara a um bom e velho quadrimotor a jato; B-747, DC-8, Convair 990 & 880, B-707, Lockheed Jetstar, Comet-4, Concorde, A-350 que o digam. Saudações a todos.

  11. Diego Freitas disse:

    Vc deve estar confundindo o Ícaro com a logo da Lufthansa.

  12. Luiz AG disse:

    Hoje praticamente só tem o Ed Force One, do Iron Maiden, já que não tem que pagar combustivel.

    Hoje operar um 747 é mesma coisa que colocar um Landau como Taxi.

  13. claudio conrak disse:

    Olá FG e demais blogayada amiga!!!!

    Se teve uma coisa de que o Brasil pode se orgulhar por muito tempo foi da VARIG, empresa de padrão mundial!!! E reconhecida em todo o Planeta!!! E esse padrao de pintura que foi um dos mais bonitos e emblemáticos entre todas as companhias fazia com que qualquer um que visse um avião com essas cores saberia que seria a VARIG do Brasil, mesmo num aeroporto japonês….Veja que quando a VARIG mudou o esquema de pintura ela entrou numa decadencia irremediavel e isso nao foi coincidencia…..Claro que os tempos eram outros, o mercado aeronautico era totalmente diferente de agora, etc… e hoje temos a TAM que opera varios voos internacionais mas ela não chega nem perto do que a VARIG foi!!!!
    Dos 747 que a VARIG operou talvez os da série 747-400 ainda estejam em serviço talvez em cargo-(acho que ela tinha quatro desses) , os anteriores dificilmente estejam operando ainda, mas talvez em companhias fajutas da áfrica. A VARIG assim como o futebol e a formula um ajudou a colocar o Brasil no mapa mundi !!!! Infelizmente inescrupulosos acabaram com a VARIG senão ela poderia estar operando ainda, era só ter se adequado a nova realidade de mercado ( mas é claro sem nunca ter mudado o padrao de cores) assim como LUFTHANSA, American Airlines, KLM, British, Air France, ALITALIA, etc…. CVomo sempre o Brasil não se cansa de perder uma ótima oportunidade…..

    • Carlos Pimenta disse:

      Claudio, muito bacana o que escreveu, mas, é impossível falar de aviação Civil no Brasil, se não citar a PANAIR, a história da companhia, sua representatividade do Brasil, no cenário internacional, com suas instalações no exterior servindo até como uma embaixada, sua malha aérea, seus projetos, que inclusive contava até com uma possível aquisição de Concordes para voos SP/BUENOS AIRES, e a forma como foi extinta, com aviões taxeando no Santos Dumont e os passageiros sendo obrigados a embarcar nos aviões da Varig. Eu quando passo no Santos Dumont, fico imaginando: Puta merda foi aqui que tudo aconteceu, portanto, muito bacana o que escreveu, mas omitir a História da PANAIR, é um descuido muito lamentável.

      • CLAUDIO disse:

        Calma Pimenta….
        Claro que a Panair foi também um destaque e orgulho do Brasil, sem dúvida nenhuma, mas estávamos falando de VARIG que foi incontestavelmente superior. Não me leve a mal colega. Vamos pedir ao FG uma postagem sobre a Panair aí eu e voce vamos falar de Panair, tenho boas historias dela também, ok. E o que eu disse sobre a VARIG não foi pra desmerecer a paniar e não houve omissao pois mesmo o FG nem tocou no assunto Panair, certo?

    • claudio conrak disse:

      Só complementando FG :
      Segundo o site de um amigo meu, a VARIG teve 3 (eu havia dito 4 de cabeça…. me perdoem a falha!!!!) Boeing da serie 747-400, destes um já foi “scraped” ou seja, retiradas algumas partes/peças reutilizaveis e o resto foi sucateado/desmanchado e, foi pra refundição, os outros segundo as ultimas noticias estão “stored” ou seja estão estocados em algum lugar apropriada mas ainda em condições de serem recolocados em serviço quando surgir uma demanda. Os das séries antreriores foram na sua maioria “scraped” mas hà alguns heroicos em situação “stored”…
      Flávio tem gente falando coisas sem sentido aqui, Dos Boeings 747-400 ainda há vários em atividade como pax e cargo e até alguns das séries anteriores. O que está acontecendo é que os motores evoluiram tanto que hoje em dia é perfeitamente possível e extremamente seguro fazer uma volta ao mundo com um Bimotor pois os motores são altamente confiaveis e suas performance sao altissimas, uim bimotor atual pode ter mais força com dois motores do que os primeiros jumbos tinham com quatro…. por isso os DC-10 e MD-11 we Locked Tristar sairam de circulação e o Airbus A-340 quadrimotor que foi lançado recentemente já saiu de linha e o A 380 não vende tanto assim… Já o Jumbo ainda é produzido na série 800 ( A BOieng é foda!!!!) e há planos de mais um 747 maior ainda…. Mas a preferencia são os bimotores como ja falei, são mais rentaveis, como o 777 triseven boeing, o 787 jatão moderno, 0 767 que ainda faz sucesso, e aos airbuses- A 330, A-350 e deve surgir mais um airbus nesse nicho aí de bimotores. Os quadrimotores terão um mercado bem restrito mas acredito qwue ainda serão produzidos. Quem infelizmente perdeu muito terreno foi a industria Russa/Ukraniana, essa passagem para o livre mercado foi complicada para eles, digo infelizmwente porque sou fâ da aviação Russa/Ukraniana. eles sempre tiveram aviões superiores ao Ocidente, só não souberam comercializar e assim ficaram para trás, mas já temos o SSJ que ta fazendo uito sucesso e a industria nao vence entregar as encomendas e tá atrapalhando a vida inclusive da nossa queridinha Embraer, e tembem os russo estao com excelentes projetos para a faixa atendida pelos 737 e A3320, além de dois projetos um pouco maiores, acho que agora que eles pegaram o jeito de produzir e comercializar avioes no livre mercado eles vao fazer tremendo sucesso porque como eu já disse aqui os avioes Russos/Soviéticos sempre foram superiores, as turbinas a jato/tuerbofan nem se comparam às ocidentais são bem melhores, nós os brasileirosd infelizmente fomos doutrinados pela Globolixo & Cia ltda a vibrar com filmes de guerra americanos e então não sabemos quase nada da verdade, mas blogues como o teu são importantissimos para virarmos o jogo. VALEU FG!!!!

    • claudio conrak disse:

      . . . . . .. . . . . E QUANTO A FOTO ACIMA DEVE TER SIDO TIRADA EM SEATTLE NÃO É MESMA F.G. ????….!!!!

    • claudio conrak disse:

      Só para constar, eu de minha parte acho superimportante, o projeto do Boeing 747 surgiu de um cargueiro alemão da segunda guerra que era nada mais que um 747 de tamanho reduzido a movido a motor pistao/hélice, este aviao é praticamente desconhecido por nos brasileiros porque foi utilizado só no front russo. OS americanos ao invadirem a Alemanha levaram entre os despojos os projetos de varios avioes entre eles esse aí que estou falando e foram repassando À Boeing e outras companhias como Lockecd , etc…. então a aviação americana tem em seu DNA uns 2/3 de Made in Germany….
      Toda a aviação a reação ( a jato) americana tem DNA alemão pois vejam que antes da guerra eles não tinham nada nesse tipo de motores e só depois que começaram a ter, já alemanha já produzia e chegou a utlizar jatos na guerra…..

    • claudio conrak disse:

      A própria VARIG tinha DNA alemão na origem !!!!!

    • Fábio F disse:

      Colega, a Varig teve sim seu momento, mas não dá pra ignorar que o grande impulso que ela teve foi a partir da patifaria perpetrada pelos militares com a Pan Air. Rubem Berta era amigo dos milicos, que inviabilizaram a Pan Air (que na época estava muito à frente da Varig) e depois de conseguirem quebrar a empresa propiciaram que a Varig comprasse a troco de banana prédios e equipamentos da Pan Air e herdasse diversas linhas. A história gloriosa que a Varig construiu depois estava em grande parte alicerçada nessa patifaria vergonhosa. A quem tem interesse no assunto recomendo o excelente documentário Pan Air do Brasil, que andava disponível no YouTube. Grande abraço.

  14. Paulo F. disse:

    Tenho sentimentos confusos em relação aos 747. Foi o avião que matou o Concorde !

  15. Carlos Dias disse:

    Apesar de antigo, neste link tem informações acerca do destino dos 747 da Varig: http://culturaaeronautica.blogspot.com.br/2011/02/longa-e-feliz-carreira-dos-boeing-747.html

  16. diego zomer disse:

    Sem dúvida, uma das mais belas pinturas em aeronaves… Gosto da elegância retrô, parecem muito mais sofisticados frente a designs brego-modernos como o da Gol.

  17. Rafael disse:

    Provavelmente não Flávio. Dos 747 em operação acredito que apenas o modelo 800 ainda estão, porém não por muito tempo. O custo de voo deles é altíssimo para o que podem render as aeronaves mais novas. Para curiosidade, a vida útil de um avião é 20 anos. Após isso a manutenção começa a ficar tão cara que não compensa mais operar a aeronave. Os mais novos (787, a350) será de 40 anos devido aos materias utilizados na construção. Por isso encontramos alguns boeings antigos por menos de 1 milhão de dólares nos estados unidos!

  18. Rafael disse:

    O da esquerda da era o PP-VNI (B747-341 – SN 23395/629), Chegou à VARIG em 19 de Dezembro de 1985, 7 dias após o VNH e serviu a empresa brasileira até 31 de Março de 1999 quando efetuou o voo RG715 entre Guarulhos e Galeão, após o desembarque foi rebocado para a chamada área industrial da VARIG no GIG e permaneceu estocado até 19 de Maio de 2000 quando foi matriculado N355MC e entregue para a Atlas Air Cargo, onde voou até fevereiro de 2012 sendo estocado em Mojave. Durante sua vida na Atlas Air, operou sub arrendado para a Martinair Holland e Polar Air Cargo.

  19. Cadu Santana disse:

    Coisa mais linda o 747! Nessa pintura então, muito mais! Infelizmente todos eles já estão fora de operação.

    Mais informações em http://www.avioesemusicas.com/por-onde-andariam-os-boeing-747-da-varig.html

  20. Largebeer disse:

    Os 747 estão em extinção … todas as aéreas estão descontinuando … o Concorde já foi … Elektra já era faz tempo… hoje domina aquele Airbus A380 que é uma aberração : estamos piorando ?

  21. G. B. disse:

    O da esquerda (PP-VNI), da série -300, encontra-se estocado desde 2012 em Mojave, com pintura da Atlas Air.

  22. A.Coelho disse:

    Acho o avião mais bonito da história e essa pintura da Varig era um espetáculo… pena que hoje este ícone esteja em extinção, em Guarulhos mesmo apenas a Lufthansa opera 747 atualmente…

  23. Elias Gottardo disse:

    O VNI, o da esquerda, esta desde 2005 parado em Mojave. Olhe ele aqui em Janeiro de 2015:

    https://goo.gl/fGTSbW

  24. Luciano disse:

    Hj em dia há um movimento enorme de substituição dos quadrimotores como o 747 por bimotores…a ponto de quase não se vender nenhum 747 novo de passageiros. Tudo em nome da redução de custos, e com a conversa fiada de que a segurança é a mesma…balela. No Brasil atualmente só a Lufthansa opera 747. Gostaria que essa tendência mudasse mas infelizmente não é o que parece, o que mais se vê são cias aéreas aposentando a “rainha dos céus”…

  25. Alessandro Menezes disse:

    Simplesmente inigualável, impossível um avião ser mais lindo do que um 747

  26. Rodolfo Goes disse:

    O que são esse logos da Lufthansa neles ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>